Por: Ariston Sal Junior | 4 anos atrás
Livro do engenheiro Roberto Reis calcula quantos mundiais Senna teria conquistado (Foto: Lúcio Sassi)

Livro do engenheiro Roberto Reis calcula quantos mundiais Senna teria conquistado (Foto: Lúcio Sassi)

Como seriam as manhãs de domingo dos apaixonados por Fórmula 1 se Ayrton Senna, grande piloto brasileiro, estivesse ainda entre nós e participado da competição até 2004? A inquietação sobre o futuro de Senna, que morreu em decorrência de um trágico acidente em 1994, fez com que o engenheiro de Jaraguá do Sul, Roberto Reis, criasse nas páginas de “Como seria se Senna tivesse sobrevivido” uma projeção da vida do piloto. Baseado em cálculos e com recursos gráficos, ele fez uma perspectiva do desempenho de Senna nos Grandes Prêmios e apresenta oficialmente a obra hoje, às 19h30, no Centro Cultural da Scar.

Há 20 anos, o Brasil perdia o maior piloto de todos os tempos. Senna, que na época foi o mais jovem a conquistar um tricampeonato da Fórmula 1, recebeu na temporada 2014 homenagens e reconhecimento pelo seu trabalho dentro e fora das pistas. O livro feito por Reis entra nesse programa de celebrações.
Quais seriam os feitos do piloto no GP? Quantas vitórias e poli position ele conquistaria? Tudo isto foi colocado em dúvida e respondido na obra, que trata de um possível retorno do piloto em 1995 até sua aposentadoria em 2004.

Roberto Reis conta que a vontade de fazer o livro nasceu após assistir a série de reportagens do jornalista Reginaldo Leme, feita em 2010 ano em que Senna completaria 50 anos. “Sou apaixonado por Fórmula 1 e após a morte do Senna muita coisa mudou. Sempre me perguntei como seria se ele tivesse voltado a correr”, diz. Desde lá, ele começou a pesquisar e criar uma base de dados. Partiu do início da carreira do piloto, em 1984, passando pelo acidente em 1994, retorno às pistas e aposentadoria. Para isso, considerou a história real do GP durante esses anos. “Fiz até uma comparação com Michael Schumacher e criei uma equipe formada só por brasileiros, a equipe Senna. É um paralelo do que aconteceu e como seria com a participação dele”, explica. O trabalho segue bases técnicas e apresenta infográficos com as perspectivas.

Durante o processo de criação, Reis conheceu o jornalista Reginaldo Leme que escreveu o prefácio do livro. Ele também conseguiu a aprovação e patrocínio do Instituto Ayrton Senna. Parte da renda arrecadada com a venda dos livros será revertida para as ações e programas da entidade. Os exemplares serão vendidos após o lançamento na Feira do Livro de Jaraguá do Sul, por R$ 70.

“Foi muito legal fazer isso porque o Senna é um grande ídolo de todos os brasileiros. Nesses dez anos, deu para relembrar muitos casos, reviver conquistas e imaginar como tudo seria”, finaliza.

PROGRAMAÇÃO

Hoje:

• 9h – Abertura dos estandes no Galpão da Leitura, no estacionamento da Scar.
• 9h, 10h, 14h e 15h – “Casamento de Conto de Fadas”, da Cia Coxinha Contadores de Causos, de Jaraguá do Sul. Maratona de Contos Sesc. (Período matutino no Grande Teatro/Scar e período vespertino no Grande Teatro/Scar)
• 14h30 – “Princesa, eu? Não, leitora!”, com Patrícia Barboza.
• 10h e 15h – “Dramaturgia: Leituras em Cena Sesc”- Leitura dramática de textos relacionados ao Golpe Militar de 1964.
• 18h30 – Lançamento do livreto “Aquela quarta” de Pablo Varela (Série EmConto na feira/Design Editora), no Espaço dos Autores do Galpão da Leitura, no estacionamento da Scar.
• 19h30 – Exibição do documentário “Criação e autoconhecimento: maturidade” de Carlos Felipe Urquizar Rojas (Apneia filmes/ Escritório de cinema) e bate-papo com o diretor do filme.
• 19h30 – Lançamento de “Fique Bem Reflexões”, de Fabiana Koch, no Espaço dos Autores do Galpão da Leitura, no estacionamento da Scar.
• 19h30 – Lançamento do livro “Como seria se Senna tivesse sobrevivido”, de Roberto Reis, no Pianos Bar do Centro Cultural da Scar.
• 21h – Encerramento das atividades no Galpão da Leitura e espaços da Scar.

Via OCP