Por: André Marques | 4 anos atrás

Recentemente comentamos aqui sobre um episódio não muito legal de se lembrar onde uma jovem ofende o goleiro Aranha durante o jogo entre Santos e Grêmio.

Na madrugada do mesmo dia, ela já começou a ‘sentir na pele’ as reais consequências do episódio lamentável que protagonizou mais cedo. A menina recebeu diversas ameaças de morte e estupro pelo Whatsapp e se refugiou na casa de familiares fora de Porto Alegre.

Patrícia no seu "ato nobre" durante o jogo Grêmio x Santos

Patrícia no seu “ato nobre” durante o jogo Grêmio x Santos

O que eu não entendo é como alguém que ameaça estuprar e matar uma pessoa quer estar no direito de reclamar de outra que cometeu um ato de preconceito, né não?

O irmão de Patrícia contou que a menina está desesperada com toda essa situação. Na noite da última sexta-feira, a casa onde ela mora foi apedrejada por um vizinho:

Ela errou e admite. Nós temos consciência disso, mas ela nos disse que estava no embalo do jogo, da Geral do Grêmio. No momento certo, ela virá a público para se desculpar com o Aranha. É um momento muito difícil para nós todos, que nunca nos envolvemos em problemas com a Justiça.

Ela terá de se mudar, não tem mais condições de continuar no mesmo lugar (um bairro popular da zona norte de Porto Alegre). Queremos dizer ao Brasil que a Patrícia não é racista, ela agiu errado, mas tem muitos amigos negros, somos pessoas humildes, não merecemos todo esse linchamento que está ocorrendo – afirma o irmão dela.

Mas não acaba aí, toda a família está com medo de sofrer ainda mais pressão após o julgamento que acontece na próxima semana, onde o Grêmio pode ser penalizado e perder pontos ou mandos de campo em competições no país devido ao incidente racista.

Ainda não viu o vídeo?

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=XSBlzf_5EfA”]