Por: Ricardo Daniel Treis | 08/08/2013

Já que hoje é o World Cat-Day (Dia Mundial do Gato, ou coisa assim) e eu não queria postar vídeos com bichanos fazendo “fu”, vou resgatar a história desse cara que é dono de uma reserva ambiental na África e no fim do dia vai fazer happy hour no meio do mato. Já viram a afinidade que Kevin Richardson tem com grandes carnívoros?

[youtube_sc url=”http://youtu.be/azBWVt_R9vQ” width=”640″ autohide=”1″]

Há pouco material disponível sobre o cara em português, traduzi livremente esse textinho do site oficial do encantador de leões:

“Desde a infância Kevin sempre demonstrou grande interesse e todos tipos de criaturas, grandes ou pequenas (…) Dessa vida entre coisas selvagens ele tornou-se um homem capaz de dividir a linha existente entre humanos e predadores. Como autodidata de comportamento animal Kevin quebrou cada regra de segurança existente ao trabalhar com esses animais, e ao substituir chicotes, gaiolas e correntes pelo amor às criaturas e criação de laços, chegou a um momento de convivência pacífica e compreensão entre espécies.

Seu método único de conhecer a personalidade de cada animal – o que os irrita, deixa felizes, tristes ou chateados – é tal qual um relacionamento entre mãe e filho, o que o leva a ser aceito como um deles, permitindo essa partilha de momentos.

‘Animais sempre foram a minha paixão, quer dizer, (trabalhar com eles) foi uma progressão natural. Sempre digo que você não precisa necessariamente estudar para trabalhar com animais. Só é preciso uma coisa: paixão’.

Ele lembra que, algumas vezes, a paixão quase lhe custou a vida. Certa vez, um leão de cerca de três anos, que Richards conhecera há pouco mais de três meses, o derrubou, o imobilizou com as patas e deu-lhe várias mordidas.  ‘Ele não queria me matar, mas sim, provar que era o macho dominante’, disse Richards, que, ao não oferecer resistência, conseguiu acalmar o bicho, até que um colega pôde socorrê-lo.

O incidente ensinou o cientista a estudar melhor as reações dos animais. Hoje, ele diz não considerar leões e outros predadores mais imprevisíveis que pessoas. Para ele, pessoas ou animais, todos têm personalidades e naturezas diferentes e nunca se pode adivinhar exatamente o que eles pensam.

Atualmente faz mais de 16 anos que ele convive com estes animais.”

A galeria de fotos do site é impressionante, recomendo a visita.


E como a vida não é mole pra todo mundo, fecho o post com esse vídeo de um cara se defendendo de um leão com um rolo de papel higiênico:

[youtube_sc url=”http://www.youtube.com/watch?v=hTRg4w_U5Js” width=”640″ autohide=”1″]