Por: Sistema Por Acaso | 23/02/2015

zacarias

“Tudo bem, galera? Eu sou Zacarias, tenho 20 anos, sou skatista amador, moro em Teresina e queria contar minha história para vocês”. Foi assim, usando uma máscara cirúrgica e falando pausadamente, que Zacarias Gondim lançou um vídeo nas redes sociais, na semana passada, e iniciou uma campanha para arrecadar dinheiro para um tratamento de leucemia que, segundo ele, acabara de ser diagnosticado.

Mas o laudo que o jovem apresentava é, segundo a polícia, falso. “Uma das médicas que aparecem no laudo que ele postou nas redes sociais nos procurou. Ela disse que nunca tinha feito esse laudo, que a assinatura não era dela, nem o CRM”, disse o delegado-geral do Piauí, Riedel Batista.

Além do laudo médico, Batista afirma que as investigações levaram a outros documentos falsificados, como um exame em uma clínica local que, na versão original, dava negativo para leucemia.

Zacarias foi preso na manhã deste sábado, acusado de estelionato, falsidade ideológica e falsificação de documento público. Ele deu entrada no Hospital de Urgência de Teresina pela manhã, alegando fortes dores de cabeça, mas foi liberado pelos médicos.

Além do vídeo, montagens que juntavam imagens do skatista e dados sobre como fazer a doação foram compartilhados na internet. Com o sucesso da “Operação Zaca Gondim”, Zacarias foi convidado a participar de dois programas de emissoras locais do Piauí.

Segundo o texto da campanha, ele precisava de R$ 9.000,00 para o tratamento, que só poderia ser realizado em São Paulo. Alex diz que o skatista decidiu continuar com a campanha, “caso a doença se complicasse.”

A polícia ainda não sabe quanto exatamente foi arrecadado e vai pedir a quebra de sigilo bancário da conta divulgada para receber as doações.

A CAMPANHA

No vídeo compartilhado na internet, Zacarias fala que perdeu a mãe há um ano, por causa de um câncer, e sugere que há uma ligação genética da doença.

Ele também explica o que é leucemia aguda – “mais popularmente falando é um câncer no sangue” – e diz que chegou a ficar internado.

No dia 13 de fevereiro, o jovem postou uma imagem de um receituário de “uso exclusivo na rede municipal de saúde”, que indicava o uso dos remédios Tramal e Morfinac. “Não to [sic] aqui para me promover através do meu sofrimento, to aqui pra mostrar que a gente não é nada se não estiver sempre de cabeça erguida”, diz a legenda da foto.

Via Folha.