Por: Deivis Chiodini | 01/08/2013

A última vez que José Aldo defendeu o cinturão dos penas no Brasil nos brindou com uma das comemorações mais inusitadas da história do UFC. Após nocautear Chad Mendes com uma joelhada, o “Scarface” saiu do octógono e correu pra galera, pra loucura do público e principalmente dos seguranças do UFC (vídeo no final do post). Novamente José Aldo pode nos brindar com um momento único. Essa deve ser sua última defesa de cinturão de Aldo nos penas, pois caso vença, ele tem a intenção de subir para os leves e desafiar o campeão. Essa luta originalmente deveria ocorrer contra Anthony Pettis (que vinha baixando de categoria para enfrentar Aldo), mas com a lesão, seu desafiante será o sul coreano Chan Sung Jung, o “Zumbi Coreano”, 5° colocado do ranking. Como sempre em eventos por aqui, o card estará lotados. No card preliminar, valem uma boas olhadas as lutas dos feras do jiu jitsu Rany Yahya pelos penas, e de Vinny “Pezão” Magalhães pelo meio pesados.

Vamos a análise do card principal:

John Lineker x José “Sem Chance” Tomé (categoria dos moscas): O paranaense que levantou a Arena Jaraguá em sua última luta, tentará mais uma vitória para consolidar sua corrida pelo title shot na categoria dos moscas (hoje é o 7° do ranking). Ele teria pela frente Phil Harris, mas com a lesão do mesmo, o UFC chamou o estreante José Maria “Sem Chance” Tomé. Estreante no UFC, que se diga, pois esse veterano dos eventos nacionais tem em seu cartel 38 lutas, com 33 vitórias. Tomé é um lutador muito versátil com mãos pesadas, bom boxe e um jogo de chão muito consistente, com ótimos estrangulamentos. O chão deve ser o caminho para ele, pois ainda é a principal deficiência do paranaense. Em pé, Lineker tem as mãos muito pesadas (não a toa seu apelido é Mãos de Pedra), e mostrou na sua vitória no UFC em Jaraguá um boxe com muita variação e velocidade, andando pra frente e imprimindo bons golpes na linha de cintura, que minam o gás de seu oponente. Lineker mostra muita desenvoltura no jogo de chutes nas pernas e joelhadas e pode usar isso para evitar as tentativas de queda de Tomé.
Palpite: Vejo em John Lineker um futuro postulante ao cinturão e aposto numa vitória dele no 1° round por nocaute.

Thales Leite x Tom Watson (categoria dos médios): Mais uma vez, o UFC coloca uma luta sem expressão nenhuma no card principal, relegando uma luta muito melhor, como a de Vinny Magalhães para o card preliminar. O ex desafiante aos cinturão dos médios, Thales Leite retorna ao evento após ter sido dispensado em 2009, e terá pela frente o britânico Tom Watson, que vem de boa vitória sobre Stanislav Nedkov. Nessa luta temos o clássico matchup entre o striker contra o lutador de chão. Em pé, Watson é um exímio boxeador, com bom jogo de pernas e controle do cage. No outro lado, Thales é um faixa preta de grande qualidade, que costuma finalizar no chão. A Thales caberá usar a vantagem que tem na envergadura e fazer com que Watson tenha que encurtar para que ele possa tentar as quedas para trabalhar seu jogo de chão. Caso contrário Watson poderá controlar a luta em pé, buscando brechas para nocautear, ou pelo menos vencer por pontos.
Palpite: Uma luta que não me empolga muito. Aposto em Watson por pontos.

Cezar “Mutante” Ferreira x Thiago “Marreta” Santos (categoria dos médios): Após mais de um ano de sua vitória no TUF 1(!), finalmente as lesões vão deixar Cézar “Mutante” estrear no UFC. Ele deveria enfrentar Clint Hester, que acabou se machucando. Para seu lugar foi chamado o participante do TUF 2, Thiago “Marreta”, que acabou sendo eliminado do programa nas quartas de final pelo futuro campeão, Léo Santos. Mutante com certeza carrega a responsabilidade de uma boa estréia, após tanto tempo. Além disso, ele leva a pecha de ser um pupilo de Vitor Belfort e treinar numa grande academia fora do Brasil, como a Blackzillians (que tem alem de Belfort, nomes como Rashad Evans e Alistair Overeem). Já Marreta entra sem responsabilidade nenhuma, como um grande tapa buraco e isso pode ser favorável. Os dois são bons strikers, mas Mutante mostra uma variação maior de golpes, com alguns chutes diferentes sendo tirados da cartola, lembrando em alguns momentos Edson Barbosa. No chão, ampla vantagem para Mutante, que se não tem no jiu jitsu sua especialidade, não deixa de ter boa desenvoltura e posições no chão, além de uma guilhotina perigosa.
Palpite: Mutante é um lutador mais completo e melhor treinado. Nocaute do vencedor do TUF 1 no 2° round

Lyoto Machida x Phil Davis (categoria dos meio pesados): Lyoto Machida volta a lutar no Brasil pela 1° vez desde 2006. Uma boa vitória poderá finalmente lhe dar a chance de uma revanche e reconquista do cinturão contra Jon Jones. Novamente ele terá pela frente um wrestler de altíssimo nível, que fará de tudo para levar a luta para o chão, o 7° colocado do ranking Phil Davis. “Mr Wonderful”, como é conhecido, vem mostrando boa evolução no jogo de pé, mas com certeza ainda não é páreo nesse quesito para Machida e suas constantes trocas de base, jogo de esquivas e contra ataques típicos do karatê. Mesmo que não seja nocauteado, em pé Davis deve ser facilmente controlado pelo jogo de “entra e sai” de Machida e dificilmente achará brechas para golpes mais contundentes. Sua chance como wrestler de alto nível é colocar Machida para baixo e controlar no ground and pound ou buscar uma brecha para suas boas finalizações (o que não acredito acontecer, pois Machida tem um bom jogo defensivo no chão). Então é isso, Davis vai colocar Machida no chão e amarrar a luta, por ser um exímio wrestler? Ledo engano, ele terá muito trabalho para isso. Vamos a lista de wrestler que Machida já enfrentou: Tito Ortiz, Rashad Evans, Randy Couture, Jon Jones, Ryan Bader, Dan Henderson. Desses, apenas uma derrota, para JJ e em pé, numa guilhotina estranha com Machida combalido por um corte no supercílio. Ele tem um percentual de defesa de quedas de 82% (o maior da categoria) e nas lutas acima citadas ele foi quedado apenas 2 vezes em 15 tentativas. Porque tanta enfase nas defesas de queda de Machida? Porque quando um lutador que não tem tantos recursos em pé não consegue achar seu jogo de quedas e fica frustado (que é o caso de Davis), ele costuma cometer erros em pé por afobação e pode ser nocauteado, como aconteceu com Ryan Bader quando enfrentou nosso samurai paraense.
Palpite: Aposto em Lyoto controlando Davis em pé e defendendo as quedas, até Davis errar e ele nocautear no final do 2° round. Karatê is back!

José Aldo x Chan-Sung Jung (cinturão dos penas): José Aldo, um dos melhores lutadores peso por peso da atualidade e quem sabe de todos os tempos, deve finalmente fazer sua última luta na categoria que domina desde os tempos do WEC, os penas. O corte de peso esta cada dia mais difícil e Aldo, mesmo vencendo irá se aventurar nos leves após essa luta. Nesse sábado ele terá pela frente Chang-Sung Jung, o “Zumbi Coreano”. Chang ficou conhecido assim por ser um lutador que sempre caminha para frente, golpeando, mesmo enquanto recebe duros golpes. Após uma fase ruim, com duas derrotas nas suas últimas lutas no WEC, ele chegou sob desconfiança no UFC, mas nas suas 3 lutas, foi simplesmente fantástico. Finalizou Leonard Garcia com um raro “twister” (finalização do ano em 2011), nocauteou Mark Hominick em 7 segundos e finalizou Dustin Poirier com um belo triângulo de mão invertido naquela que foi considerado por muitos a melhor finalização e a melhor luta de 2012. Como podemos notar, no chão, o Zumbi tem capacidade de ajustar boas posições e golpes, finalizando suas lutas. Em pé, ele tem bons chutes e socos, combinações típicas do taekwondo, mas tirando o nocaute sobre Hominick, ainda não mostrou tanto poder de nocaute. Costuma andar muito pra frente e tem algumas brechas em sua guarda, além de ficar suscetível aos golpes de encontro.É sem dúvida um bom lutador e em uma brecha pode resolver a luta. Com certeza suas maiores chances estão no chão. Mas no outro lado esta ninguém menos que José Aldo:

[youtube_sc url=”http://youtu.be/TaWVGSpSqIo” width=”640″ autohide=”1″]

Tenho sempre a sensação que se Aldo fosse um lutador da categoria dos meio médio ao menos, ele teria um status de super estrela muito maior, comparado ao de Anderson, GSP ou Jon Jones. Ele é um lutador simplesmente fenomenal. O coreano é bom de chão? Zé Aldo é faixa preta de Dedé Pederneiras, campeão mundial na faixa marrom e tenho certeza que só não ganhou mais títulos na modalidade porque fez a migração pro MMA cedo. Então porque raramente vemos o “Scarface” aplicando finalizações e buscando a luta de solo? Por dois motivos: primeiro por que José Aldo é uma máquina de bater. Dono de um muay thai refinado, Aldo tem um dos chutes mais potentes do MMA (segundo o ex lutador e hoje comentarista do UFC Kenny Florian, o primeiro chute que ele levou de Aldo na luta entre os 2 foi o golpe mais duro que sofreu na sua carreira), e uma variedade de socos, joelhadas e cotoveladas de dar inveja a Anderson Silva. Dono de uma mira precisa, ele conecta muitos golpes e esta sempre pontuando, com um volume de golpes absurdo e quando seu oponente cai, tem um instinto assassino, lembra Wanderlei Silva nos tempos do Pride. O outro motivo é seu excelente treino de defesa de quedas (sempre incrementado pelo americano Gray Maynard na reta final). Aldo defende 92% (!) das tentativas de quedas. Desde que conquistou o cinturão do WEC (que depois foi incorporado ao UFC), em 7 lutas, ele sofreu apenas 4 quedas em 55 tentativas. E olha que ele enfrentou grandes grapplers, como Urijah Faber, Kenny Florian, Chad Mendes e Frankie Edgar. Enfim, José Aldo é um grande campeão, que se cerca de treinos de qualidade e segue o que seu mestre e mentor Dedé Pederneiras prega, sem descansar e sem dar bola pra bajulação, sem nunca se achar melhor ou maior que a luta em si (Coisa que destrói qualquer lutador, vide Anderson Silva).
Palpite: Gosto muito do Zumbi, acho um excelente lutador, mas contra José Aldo, no Rio de Janeiro, não vai dar pra ele. Aldo por nocaute no 2° round.