Por: Deivis Chiodini | 5 anos atrás

O UFC desembarca em New Jersey no próximo sábado, para sua edição de 159, onde os treinadores da última edição do TUF americano se enfrentarão. São eles ninguém menos que o fenômeno campeão Jon “Bones” Jones e o famos trash talker Chael Sonnen, tão odiado pelos fãs brasileiros pelas suas declarações antes das lutas com Anderson Silva.

O card preliminar não apresenta grandes atrativos, porém o card principal só tem grandes lutas dessa vez. Vamos a análise:

Jim Miller x Pat Healy (categoria dos leves): Vindo do Strikeforce, onde acumulava no momento 6 vitórias consecutivas, Pat Healy acredita poder alcançar um lugar ao sol na categoria no UFC. Logo de cara ele terá o 4° colocado do ranking pela frente, o postulante a uma disputa de cinturão e dono de grandes lutas, Jim Miller. Ele esteve muito perto de conseguir a disputa de cinturão, porém foi derrotado numa guilhotina por Nate Diaz e perdeu a chance, porém se recuperou com uma vitória numa das melhores lutas do ano passado contra Joe Lauzon.

Healy é um lutador que possui uma boa base no wrestling e algumas boas finalizações, mas nada que se equipare ao jogo de chão de Miller, que é um wrestler do mais alto gabarito, faixa preta de jiu jitsu e dono de 3 vezes a finalização da noite. Em pé, Miller não apresenta um grande poder de nocaute, mas tem um queixo duro, nunca tendo sido nocauteado. Healy pode se aproveitar disso, usando seu kickboxing e tentar manter a luta de pé, pontuando e evitando a aproximação de Miller e uma luta no solo.
Palpite: Jim Miller é um lutador mais completo e deverá finalizar no 2° round

Phil Davis x Vinny “Pezão” Magalhães (categoria dos meio pesados): Ah como eu gosto dessas lutas recheadas de provocações, troca de farpas e promessas. E é exatamente isso que vamos ver aqui! O 8° do ranking da categoria, Phil Davis, enfrentará o ex campeão mundial de jiu jitsu e atual campeão do ADCC, o brasileiro Vinny “Pezão” Magalhães. Os dois vem trocando farpas a meses pela imprensa, Davis falou mal do jiu jitsu e disse que o wrestling é uma arte superior, Vinny retrucou dizendo que apesar das finalizações, o jogo de chão de Davis é cheio de buracos e que precisaria de 10 segundos pra finalizar o mesmo no chão…clima quente! A verdade é que o favoritismo (e também a responsabilidade) recai toda sobre o americano. A chave do jogo é simples. Davis terá que manter a luta em pé, cozinhar a trocação de Vinny e tentar quedar e ficar por cima no final dos rounds pra vencer. Na parte de pé, apesar da evolução do brasileiro, Davis leva clara vantagem. Se a luta for para o solo, acredito que apesar de Davis ser um bom lutador também por lá, clara vantagem pro brasileiro, que é um dos melhores grapplers do planeta, com capacidade de reverter qualquer posição e encaixar uma finalização de onde menos se espera.
Palpite: Não estou querendo puxar brasa pro Brasil, mas entendo que a surpresa pode acontecer nessa luta e Vinny Magalhães finalizar a luta no 2° round.

Roy Nelson x Cheick Kongo (categoria dos pesados): O gordinho mais amado do UFC, Roy “Big Country” Nelson esta de volta ao octógono pocurando se firmar definitivamente no top 10 da categoria. Nelson vem de dois belos nocautes sobre Dave Hermann e Matt Mitrione. Ele enfrentará o francês especialista em kickboxing Cheick Kongo. Cheick apareceu como grande promessa na categoria, mas nunca conseguiu vencer nenhum top na categoria, sendo derrotador por Velasquez, Mir e Hunt, e vem sendo criticado mesmo nas vitórias, por apresentar um padrão de luta modorrento, sem muita ação. Ele terá que usar muito bem a distância e manter Nelson longe de seu alcance nessa luta, pois além de um dos queixos mais duros do MMA, Nelson tem uma das mãos mais pesadas. Kongo pode se a lutar encurtar, tentar usar o clinche com joelhadas, recurso que Fabricio Werdum aplicou bem contra o americano e ele teve dificuldades pra defender. Essa é uma luta que dificilmente irá para o chão e que também não deverá durar 3 rounds.
Palpite: Confio na mão pesada de Roy Nelson, com um nocautaço no 1° round

Michael Bisping x Alan Belcher (categoria dos médios): Dois ex postulantes ao cinturão se enfrentam numa luta que pode dar sobrevida aos mesmos na categoria. O sempre falastrão e chato inglês Michael Bisping estava a uma luta da disputa de cinturão, mas acabou sendo do nocauteado por Vitor Belfort. É a terceira vez que isso acontece (antes foi derrotado por Sonnen e Hendo) e ele terá que correr contra o tempo para ter mais uma oportunidade. Já Alan Belcher, vinha embalado por 4 boas vitórias e sonhava pela luta de cinturão, quando foi anulado em dezembro pelo jogo de clinches e quedas de Yushin Okami, também caindo no ranking. Bisping não é um grande nocauteador, mas tem um bom trabalho de movimentação em pé, jabs e costuma derrubar bem seus oponentes, trabalhando o ground and pound e pontuando bem. Belcher é mais contundente na parte de trocação, com um arsenal de chutes e socos mais vasto que o de Bisping. Apesar de bom finalizador, terá dificuldades se cair por baixo contra Bisping e deverá evitar isso a todo custo.
Palpite: Numa luta não muito intensa, Bisping por decisão dos jurados.

Jon Jones x Chael Sonnen (cinturão dos meio pesados): Eu vou dizer uma coisa polêmica aqui: Eu adoro Chael Sonnen. De que adianta você ter mocinhos nos filmes senão houverem vilões? Chael coloca a pimenta necessária, faz provocações, promove as lutas…Sonnen da graça a coisa. Concordo que as vezes passa um pouco do ponto, mas é normal. Trash talkers como ele vivem no limiar entre a provocação e o exagero. Não acho que Sonnen merecia a luta pelo cinturão logo na subida de categoria e acho que ele nunca passará do bloco intermediário. Mas ele está la. Como funcionário do UFC, sempre se prontificou a lutar quando Dana White pediu, sem olhar tempo de preparação nem nada. Foi premiado e com certeza abocanhará uma bela grana. E já que esta lá, vamos analisar sua luta contra o campeão, o fenomenal Jon Jones. Essa luta é muito, mais muito simples de analisar. Chael é um bom wrestler e sua unica chance consiste em cair por cima de Jones, no abafa, e trabalhar seu ground and pound por 5 rounds pra tentar levar a lutar por pontos. Se ficar de pé, Jones usará sua gigantesca envergadura e seu vasto cardápio de socos, chutes rodados e cotoveladas e nocauteará. Se Jones cair por cima (e isso é bem possível, ele é um excelente wrestler), a cotovelada comerá solta e com seu tamanho Sonnen dificilmente conseguirá se levantar. Jones poderá também usar seu ground and pound para abrir a guarda de Chael e ajustar a posição para suas famosas guilhotinas ou pra um mata leão.
Palpite: Após um castigar Chael no primeiro round, Jones finaliza no 2° round com uma guilhotina.