Por: Gabriela Bubniak | 27/07/2016

Os dias têm sido conturbados para o Jaraguá Futsal. Convivendo com o atraso de salários desde o início da temporada, o elenco aurinegro chegou ao limite quando soube que os pagamentos da dívida com os jogadores não sairia novamente.

Na manhã desta terça-feira, o elenco sentou com os membros da diretoria para uma reunião, com o intuito de buscar uma solução para o fim dos problemas. Passadas cerca de seis horas de negociações no vestiário da Arena, a alta cúpula aceitou uma das propostas feitas pelos atletas e comissão técnica: a entrega da vaga da Liga Nacional de Futsal ao elenco.

O valor da vaga seria de R$ 650 mil. Como há dívidas de R$ 350 mil com o elenco, os atletas teriam de buscar mais R$ 300 mil para comprar a vaga e administrar a equipe de forma independente. Enquanto buscam estes recursos, os atletas se mantêm em atividade. A ideia, pouco habitual no esporte, é a maneira de manter a atividade viva na cidade, segundo Franklin em entrevista ao Blog Toque de Letra. De acordo com Franklin, a ADJ “chegou a cogitar a venda da vaga para Umuarama para nos pagar. Isso definitivamente fecharia as portas do time”, explica.

Tudo começou depois do presidente Gerson Postai anunciar que o grupo El Shaddai, com sede na Bahia, que tinha acordo verbal há cerca de um mês e viria a ser o novo patrocinador máster, desistiu de investir no clube. Segundo o porta-voz da equipe, goleiro Franklin, se o elenco viabilizar os R$ 300 mil, a diretoria da ADJ sai. “Não era um desejo meu, mas pelas circunstancias e por ser o atleta mais experiente vou ser a pessoa que lutará muito para que Jaraguá do Sul permaneça com a sua vaga na Liga Nacional”, comentou Franklin ao Jornal O Correio do Povo.

Momentos antes desta decisão final, diretoria e elenco chegaram a divulgar o encerramento das atividades, com os atletas prometendo ir à justiça para receber as pendências financeiras. Mas logo depois, houve uma reviravolta e o projeto segue até dezembro, mesmo com os dirigentes não tendo seu afastamento oficializado.

Para isto, o goleiro Franklin fez um apelo ao povo jaraguaense. “Não sou ninguém para ficar criticando a diretoria, mas sou alguém que pode ser usado para tudo isso funcionar, mesmo aparentando que é o fim. Eu só peço que a cidade abrace a equipe, porque temos jogadores passando dificuldades. Espero que todos entendam isso e a empresa que tiver condição, seja o valor que for, pode entrar em contato que vou até ela para conversar. Então peço para que abracem a causa, lotem o ginásio e entendam que o projeto não irá terminar”, finalizou.

Em nota oficial, o atual presidente da equipe, Gerson Postai esclareceu e expôs o lado da diretoria à imprensa. Veja o texto na íntegra:

NOTA OFICIAL DA ADJ

Diante das informações veiculadas através da mídia no dia de hoje, envolvendo o JARAGUÁ FUTSAL, esclarecemos:

1) A diretoria do Jaraguá Futsal vem trabalhando há vários meses na tentativa de saneamento das dívidas herdadas de gestões passadas, passivos de grande monta, ao mesmo tempo em que enfrenta as despesas normais de operação e manutenção da ADJ – Associação Desportiva Jaraguá – montagem de time competitivo e principalmente para colocar os salários do elenco em dia, tarefa à qual envida seus maiores esforços.

2) Não procede a informação que o “JARAGUÁ FUTSAL FECHOU” e os responsáveis por esta informação leviana e sem sustentação serão acionados dentro dos ditames legais, principalmente pelas consequências desta afirmação, que pode gerar prejuízos e interrupção de negociações com possíveis patrocinadores que vêm sendo conduzidas pela diretoria.

3) A atual diretoria já tinha acordo de patrocínio verbalmente fechado com o grupo EL SHADDAI, com sede na Bahia, inclusive com trocas de documentos para acertos de detalhes no contrato e já com cronograma de pagamentos agendado.

4) Nesse momento, agindo de boa fé, a diretoria, sendo transparente como sempre foi, informou aos atletas sobre os detalhes deste patrocínio, inclusive com os contatos da EL SHADDAI, para que percebessem que os esforços estavam sendo feitos.

5) Estranhamente após este fato, a comunicação entre ADJ e o grupo EL SHADDAI interrompeu-se e a negociação emperrou, inclusive com o não envio do contrato assinado e consequentemente do depósito da primeira parcela que colocaria o salário do elenco em dia. Inclusive o presidente do Grupo queixou-se de que ligações anônimas começaram a chegar a ele, com assuntos relacionados ao Jaraguá Futsal, de forma ofensiva.

6) Diante da situação que se formou, o líder dos jogadores exigiu que a diretoria atual se desligasse e simplesmente entregasse a vaga da Liga Nacional, ameaçando com a não entrada dos jogadores em quadra, caso esta exigência não fosse atendida. Porém, convencemos o elenco da importância de representar a camisa do Jaraguá Futsal acima de tudo, bem como de cumprir com as obrigações que a ADJ assumiu juridicamente com os organismos de organização, supervisão e promoção do desporto, enquanto discutimos as deliberações a serem tomadas. Isso sem contar com a imagem do Jaraguá Futsal dentro do panorama esportivo brasileiro.

7) A vaga da LNF – Liga Nacional de Futsal – é a garantia da disputa da competição de Futsal mais importante do Brasil. O representante dos jogadores afirmou que caso o grupo de jogadores não conseguisse viabilizar patrocínios para a equipe, eles a venderiam para fazer uma divisão do valor entre eles, o que significaria, aí sim, A EXTINÇÃO DO JARAGUÁ FUTSAL, fato com o qual a DIRETORIA não concorda, pactua e jamais sequer pensou em fazer. Podemos passar por dificuldades, mas vender a vaga da Liga Nacional, jamais.

8) Ainda lançando mão da transparência, a diretoria afirma que mantem-se aberta ao diálogo e reforça seu compromisso com a ADJ de procurar as melhores soluções para a situação que se formou, porém, não abrirá mão de suas prerrogativas legais, amparadas pelo estatuto da ADJ, da CBFS (Confederação Brasileira de Futebol de Salão – Futsal, LNF (Liga Nacional de Futsal) e pela legislação esportiva.

Atenciosamente,
Gerson Postai
ADJ – Presidente

Fonte: Agência Avante!/OCP Online e Blog Toque de Letra
Foto: Eduardo Montecino/OCP