Por: Max Pires | 19/08/2010

Presidente da Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Schützenfest, o vereador Jean Carlo Leutprecht (PC do B), que na última semana tornou-se o alvo preferido do advogado da Prefeitura e do ex-secretário de Administração e da Fazenda durante os depoimentos da Comissão Processante que investiga as irregularidades durante a festa de 2009, manifestou na sessão da última terça-feira toda a sua preocupação com a possibilidade de que nova festa seja realizada sem que os problemas e as irregularidades ocorridas na anterior sejam resolvidos.

Conversamos recentemente com o novo presidente da comissão, ex-vereador, e sabemos da sua lisura, mas me preocupa que já está se falando na festa e se contando com recursos da Câmara, e ainda não foi explicada a do ano passado. “E agora algumas pessoas continuam deturpando a explicação da festa anterior. Me sinto na obrigação de alertar os demais pares, porque qualquer encaminhamento sem antes analisar o que foi feito na festa anterior poderá sobrar responsabilidade para cada um de nós”, alertou Jean.

Ele reforçou aos colegas a importância de se buscar informações e disse que não será inconsequente de aprovar novos encaminhamentos, sendo que, a exceção do presidente, as pessoas que estarão coordenando o evento serão as mesmas que estão passando por julgamento, e nem tempo hábil para isso tem.

Disse que estão iludindo os clubes com promessa de repasse e os vereadores precisam prestar atenção porque poderão chancelar a nova festa. “Estou alertando. Não sei se chegarão projetos neste sentido, mas teremos que ter atenção especial”.

Justino reforçou que os vereadores não são contra a festa. “Queremos que a festa aconteça. Somos favoráveis a todos os tipos de eventos culturais, mas queremos transparência e legalidade”.

Ele lembrou que o Ministério Público ainda não se manifestou a respeito do relatório da CEI, mas que as investigações estão em um momento importante com a tomada de depoimentos pela Comissão Processante. “Nosso papel é fiscalizar e legislar na defesa daquilo que é público”.

Jean lamentou que os envolvidos estejam falando o que ele classificou como inverdades para desviar o foco da investigação e apelou para que não se repita o que aconteceu na primeira momenta festa, “que foi a balburdia que estamos vendo até hoje. E muitas pessoas que deram este vexame estarão juntas na futura festa”.