Por: João Marcos | 3 anos atrás

O que era para ser um começo de ano feliz para dois irmãos de Jaraguá do Sul, Norte de SC, em uma viagem para um dos lugares mais bonitos do planeta, acabou de forma triste neste final de semana.

17157466

O Itamaraty confirmou no final da noite deste domingo que o jaraguaense Dealberto Jorge Silva, 35 anos, foi encontrado morto em um resort de Playa del Carmen, ao lado de Cancún, no México. O órgão diplomático, no entanto, não informou a causa da morte.

Dealberto viajou para Cancún no dia 2 de janeiro, em companhia do irmão mais novo, Fernando Silva, 33 anos, para participar do casamento de um amigo e para curtir as belezas do litoral caribenho.

Os dois irmãos são bem conhecidos na comunidade de Jaraguá. Desde o final da tarde de domingo começaram a circular nas redes sociais mensagens de familiares aflitos em busca de informações. Enquanto amigos já lamentavam a morte.

Devido a uma troca de passaportes, as primeiras informações apontavam que a morte seria de Fernando. O mistério só foi terminar perto das 22 horas, quando o Itamaraty retornou uma ligação telefônica para a Redação do jornal “A Notícia” em Joinville para explicar a troca de passaportes, retificar a informação, confirmar oficialmente a morte de Dealberto e garantir que a família já havia sido avisada. Até as 23h30, o paradeiro de Fernando era desconhecido pelo Itamaraty.

O corpo foi reconhecido por uma amiga dos irmãos, que também viajou para Cancún para o casamento. Segundo o Itamaraty, foi ela que entrou em contato para informar sobre o ocorrido. As circunstâncias da morte não foram divulgadas. Mas o órgão diplomático confirma que o envio do corpo de Dealberto para o Brasil pode demorar mais alguns dias porque a morte deve ser alvo de investigação da polícia mexicana.

Também ao longo do domingo, circulou pelas redes sociais um áudio em que amigos reconheceram a voz de Dealberto relatando uma situação de perigo, em que estaria prestes a ser sequestrado, e pedindo para os receptores da mensagem avisarem a imigração e a Polícia Federal. O Itamaraty desconhece o áudio e informa que toda a investigação inicial será conduzida pela polícia mexicana.

Via