Por: Gabrielle Figueiredo | 3 anos atrás

Já são 43 o número de novos casos de HIV em Jaraguá do Sul, somente no primeiro semestre deste ano. Em todo o ano de 2014, foram 28 novos casos. Os números resultam na média de 2,3 novos casos por mês. Em 2015, o índice já está em 7,1 novos casos por mês, um aumento de mais de 200%.

Foto: Divulgação PMJS

A gerente em Vigilância em Saúde e coordenadora do Programa DST/Aids, Fabiane da Silva Ananias, explica que o número de pessoas infectadas com o vírus vem subindo e que a prevenção, na maioria das vezes, não está acontecendo. “Muitos jaraguaenses pensam que não existe HIV em Jaraguá. Também pensam que o HIV tem ‘cara’. Cara de doente, pálido, debilitado, mas isso não acontece. Aquela menina linda, ‘sarada’, gatíssima, que não tem cara de doente, pode ter HIV e nem saber. Aquele menino lindo, com quem a garota se relacionou só uma vez, pode ser um transmissor do vírus, sem saber”, alerta a psicóloga Fabiane.

Jaraguá do Sul está acima da média nacional de 20,2 casos de HIV a cada cem mil habitantes. Aqui esse número é de 28 casos para cada cem mil habitantes. Em Joinville, o índice é de 40 casos e, em Itajaí, 70 casos. Jaraguá ocupa o 11º lugar em número de casos no estado, entre as cidades com mais de cem mil habitantes. São 450 pessoas infectadas com o vírus e em tratamento com antirretrovirais.

O município de Jaraguá do Sul trabalha a prevenção – através de programas nas escolas, intervenções em eventos e em empresas; a informação – através das unidades de saúde, materiais publicitários, palestras; o diagnóstico – através do teste rápido e do teste laboratorial, gratuito, no Laboratório Municipal; e o tratamento da doença – através da distribuição de medicamentos antirretrovirais e acompanhamento do paciente por uma equipe multidisciplinar, com médico infectologista, gastroenterologista, pediatra, psicólogo, assistente social, enfermeiro e farmacêutico. “Estamos implantando neste mês, por exemplo, o teste rápido de HIV, sífilis e hepatites virais em todos os 23 postos de saúde, e também nos Caps e Saúde da Mulher. A partir do mês de julho, qualquer cidadão que queira fazer o teste, poderá procurar a unidade de saúde mais próxima e saber o resultado em poucos minutos. Também estamos buscando parceria com faculdades e escolas de ensino técnico e médio para esclarecimento sobre as DSTs e para a realização do teste”, adianta Fabiane.

A gerente ressalta a importância do diagnóstico precoce para que a carga viral no sangue não aumente (quanto mais tempo com o vírus, maior a carga viral, mais chance de desenvolver a doença e mais chance de passar o vírus).

Saiba mais sobre a Aids acessando o site www.aids.gov.br.

 

Formas de contágio

-Sexo sem camisinha – pode ser vaginal, anal ou oral.

-De mãe infectada para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação – também chamado de transmissão vertical.

-Uso da mesma seringa ou agulha contaminada por mais de uma pessoa.

-Transfusão de sangue contaminado com o HIV.

-Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados.

 

A camisinha é mesmo impermeável ao vírus da Aids?

A impermeabilidade dos preservativos é um dos fatores que mais preocupam as pessoas. Em um estudo realizado nos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, esticou-se o látex do preservativo, ampliando-o 2 mil vezes ao microscópio eletrônico, e não foi encontrado nenhum poro. Outro estudo examinou as 40 marcas de camisinha mais utilizadas em todo o mundo, ampliando-as 30 mil vezes (nível de ampliação que possibilita a visão do HIV) e nenhuma apresentou poros. Por causa disso, é possível afirmar que a camisinha é impermeável tanto ao vírus da Aids quanto às doenças sexualmente transmissíveis.

 

Números do HIV/Aids em Jaraguá do Sul

-28 novos casos em 2014

-43 novos casos no primeiro semestre de 2015

-Aumento de 200% no número de novos casos/mês em comparação com o ano passado (de 2,3 para 7,1)

-11º município em número de casos no estado

-Total de 450 pessoas infectadas

 

O Programa Municipal de Controle de DST/Aids e Hepatites Virais funciona na Rua Jorge Czerniewicz, 800 – Czerniewicz, anexo ao Pama 1. Telefone (47) 2106-8300.

Fonte: Prefeitura Jaraguá do Sul