Por: Ricardo Daniel Treis | 7 anos atrás

Segue desabafo publicado pelo Rogerio Muller na timeline. Não é de ontem que o cara pedala, conhece bem a etiqueta necessária pra sobreviver pelas vias daqui.

Hoje mais um imbecil de primeira qualidade fez caca no treino, desta vez com um caminhão. Na Rua Pastor Albert Schneider. Fizemos sinal com a mão que tinha um carro parado, mesmo assim o cretino jogou o caminhão em cima dos tachões e passou perto de nós. Reclamamos e o baita macho simplesmente freou o caminhão à nossa frente, em cima da pista. Quase que eu e Guilherme batemos atrás. Ainda não contente, parou e desceu do caminhão para nos ameaçar. Liguei para o 190 e aí o macho fugiu. Placa do caminhão: MBL 221… Não vou colocar o último número pra não acabar sendo processado, pois do jeito que é aqui em Jaraguá, é capaz de alguém dizer que nós, de bike, empurramos o caminhão pra fora da pista e colocamos o motorista em perigo. Até quando ficaremos assim no trânsito? Apenas contando com a sorte? Em 4 dias, 3 crianças foram atropeladas em Jaraguá. E todo mundo acha isso normal?

Se for ver a equação, o que temos aí é uma estrutura deficiente somada a altas doses de estupidez. Os ciclistas sempre foram e continuam subestimados, como se fossem uma massa invisível e sem força – a demonstração de “superioridade” do caminhoneiro ilustra bem isso -, quando o quadro deveria ser justo o contrário.

Pedalar é conviver com o risco, que lástima.


A diferença que faz um meio que estimula: Jovens americanos estão dirigindo menos – Nova York adere ao uso das bicicletas