Por: João Marcos | 5 anos atrás

Ficaram sabendo dessa história?

102_234-alt-blog-hanging

 

O ministro da Justiça do Irã, Mostafa Pour-Mohammadi, afirmou, de acordo com a agência oficial IRNA, que o condenado à morte que sobreviveu à sua execução por enforcamento não será executado novamente.

“O condenado que sobreviveu não será executado novamente. Depois de nos esforçarmos para evitar a segunda execução, tivemos uma resposta positiva”, comentou o ministro.

Condenado por tráfico de drogas, Alireza M., de 37 anos, foi levado para o local de execução na última quarta-feira. Após 12 minutos, o iraniano foi declarado morto e levado a um necrotério. Só que, quando a família foi preparar o cadáver do executado para o funeral, um parente percebeu que Alireza ainda respirava.

O detento foi então levado às pressas a um hospital próximo, onde se recupera das lesões provocadas pela corda. Quando estivesse com “boa saúde”, Alireza seria enviado para a nova execução.

O caso despertou grande atenção de entidades de defesa dos direitos humanos, como a Anistia Internacional, que pediu que Alireza fosse poupado de uma segunda execução. O aiatolá Lotfollah Safi Golpaygani também chegou a pedir que Alireza não enfrentasse novamente a forca.

O regime iraniano alega que a pena de morte é essencial para a manutenção da lei e da ordem, e ressalta que ela só é aplicada após exaustivo processo judicial.

A maior parte dos condenados à morte se envolveu com assassinato, estupro, tráfico de drogas e adultério. Entidades de defesa dos direitos humanos estimam que 560 pessoas tenham sido executadas este ano no país.