Por: Max Pires | 20/12/2011

E se o Governador do seu estado perguntasse para você como melhorar o atendimento na saúde pública? Afinal de contas, ninguém melhor do que o povo, que utiliza o serviço, para apontar falhas e também boas iniciativas que poderiam ser replicadas em outras localidades, não é mesmo? Foi com essa intenção que o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, lançou o projeto Gabinete Digital, totalmente baseado na internet. No site, a população pode enviar propostas inéditas ou, até mesmo, votar em suas preferidas. “Buscamos trazer para decisões de gestão, a opinião das pessoas que vivem diariamente as precariedades e grandezas do Sistema Único de Saúde”, afirmou o governador.

Esse projeto foi baseado em análises e experiências internacionais e tem como objetivo criar uma ferramenta capaz de coletar, junto à população, a maior quantidade de informação possível sobre temas de grande impacto para a sociedade. “O objetivo é integrar o cidadão na formulação e aprimoramento das políticas públicas”, afirma Vinícius Wu, coordenador do Gabinete Digital.

O processo foi dividido em 4 etapas. No primeiro momento, o governador lançou o questionamento à população em um evento que também teve transmissão via Internet. Em uma segunda etapa, o projeto recebeu 1300 propostas e sugestões, vindas de 122 municípios. Elas eram relacionadas a 5 temas: Saúde da Família, Cuidado Integral, Urgência e Emergência, Acesso a Medicamentos e Saúde na sua Região. A terceira etapa consistiu na votação propriamente dita, que contabilizou mais de 120 mil votos. “Nosso desafio, além de divulgar a ferramenta, foi sensibilizar as pessoas para uma possibilidade real de participação nas decisões de governo”, afirmou Fabrício Solagna, coordenador executivo do Gabinete Digital.

Um sistema desenvolvido pela Universidade de Princeton (USA) e já utilizado em Nova Iorque garantiu que desvios proporcionados por grupos de interesse não acontecessem. Só assim, o processo consegue captar a média da opinião pública. Também foram instalados computadores em sete espaços públicos da capital e sete Telecentros no interior do Estado, para permitir a inclusão digital e o voto de quem não possui um PC ou internet em casa. Além disso, uma van equipada com computadores percorreu bairros de Porto Alegre e região metropolitana.

O resultado

Ontem (14/12), o projeto chegou à sua etapa final. Um evento no Palácio Piratini, em Porto Alegre, reuniu os autores das 50 ideias mais bem votadas na área de Saúde – apontada como prioritária pela população. Foi também no evento que o Governador e o secretário de Saúde garantiram que as propostas sugeridas seriam implementadas o quanto antes.

Apesar de inédito no Brasil, não é de hoje que a tecnologia vem auxiliando governos de todo o mundo a consultar a população sobre diversos assuntos. Na Islândia, o Governo Federal contou com a ajuda do Facebook para reescrever a Constituição do País. Clique e entenda um pouco mais desse processo!

E, aproveitando a experiência bem-sucedida do Rio Grande do Sul, queremos saber a sua opinião: será que o Brasil conseguiria ter sua Constituição reescrita com a ajuda da Internet, assim como aconteceu na Islândia? Deixe seus comentários abaixo!

Via Olhar Digital.