Por: Max Pires | 7 anos atrás

uma brincadeira seria

Esconde-esconde, pega-pega, amarelinha. Ah, a infância. Existe fase mais mágica, despreocupada e gostosa na vida de uma pessoa? A maioria de nós, após suspirarmos relembrando os bons momentos, exclamamos respostas lógicas: sim, claro, óbvio. Bem, na verdade uma resposta mais coerente seria: nem sempre.

Pode parecer absurdo para alguns, mas muitas crianças e adolescentes trocam os momentos mágicos, despreocupados e gostosos, que deveriam suprir a infância e o desenvolvimento de todos, por agonia, abuso, tortura, abandono e fome. Resumindo: são mal tratadas. Para elas, o esconde-esconde não se brinca mais com os amiguinhos, mas sim vira o escape de uma agressão. O pega-pega, tão popular nas escolas e na rua, é brincado dentro de casa, sobre a cama, à força, deixando cicatrizes no corpo, na mente e na alma. A amarelinha, antes sinônimo de alegria, para algumas crianças é marca da intolerância e da dor.

Cuidar de criança é uma brincadeira séria. Tão séria que, para garantir o desenvolvimento sadio e prazeroso que todo menor de idade merece, ganhou regras, descritas no Estatuto da Criança e do Adolescente. Uma forma de assegurar saúde, educação, liberdade e segurança, punindo com rigor agressores, abusadores, carrascos e negligentes.

Para saber mais sobre o Estatuto é simples: basta acessar www.brincadeiraseria.com.br. Conhecê-lo é o primeiro passo para darmos às crianças e aos adolescentes um futuro repleto de boas recordações. Assim, faremos com que eles aproveitem uma brincadeira sadia, divertida e que ensina as mais importantes lições: viver feliz.