Por: | 8 anos atrás

A indicação é o instrumento que os vereadores utilizam para reivindicar ou sugerir algo oficialmente para a Prefeitura. Na sessão da última quinta-feira (2) da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, foram aprovadas oito indicações, que serão encaminhadas para a prefeita, que poderá acatar o que está descrito no documento. As indicações nº 526/2010, que pede que se faça um estudo para implantar corredores de ônibus.

Autor da indicação 526, o vereador Jean Carlo Leutprecht (PC do B) comentou que os vereadores cobram constantemente mudanças no transporte coletivo jaraguaense. Ele disse que algumas medidas da empresa Canarinho, concessionária que administra o serviço, também são observadas pelos legisladores, que opinam sobre modificações, melhorias no itinerário e nos horários, por exemplo. Segundo ele, o crescimento populacional e do número de veículos pede que seja iniciado um estudo para que o transporte público na cidade seja mais eficiente.

O vereador sugeriu que (a exemplo de Joinville) fossem criadas pistas nas principais avenidas da cidade para os ônibus, que fariam com que as viagens fossem mais rápidas e, desse modo, mais confortáveis. “Infelizmente, o estacionamento vai ter de ser preterido, mas este é um preço do progresso. Não podemos fugir desta situação”, ponderou Jean, que ressaltou que a pista também pode ser usada por táxis e pelos serviços de emergência, como viaturas da polícia e ambulâncias.

O vereador Justino Pereira da Luz (PT) comentou que o Conselho Municipal da Cidade (Concidade), órgão criado por exigência do Ministério das Cidades, tem grupos de discussão temáticos e, segundo ele, um deles poderia ser criado para discutir a situação do transporte coletivo. “Temos que criar um instituto de planejamento de trânsito. Vamos planejar para evitar o caos no futuro”, frisou o petista. Jean comentou que este é um anseio de muitas lideranças do município e que há a necessidade de planejar a cidade para dez ou vinte anos. “Nós ficamos só no estudo, no estudo e nunca fazemos nada. Temos que contratar um estudo do trânsito e colocar isso em prática”, finalizou Leutprecht.