Por: | 8 anos atrás

Março registra momento histórico para a saúde pública de Jaraguá do Sul. O Hospital e Maternidade São José realizou na última semana do mês passado a primeira cirurgia endovascular no município, para desobstrução da carótida.

A informação é do presidente do Conselho Administrativo do hospital, Paulo da Silva Mattos. Explica que o procedimento aconteceu no novo centro cirúrgico, inaugurado em dezembro de 2009, registrando a importância dos investimentos realizados pela comunidade na instituição.

Conforme Paulo Mattos, o “São José” está cumprindo a última etapa da reforma, ampliação e modernização das suas instalações, com a construção do Hospital Dia, onde serão realizados pequenos procedimentos sem a necessidade de internação e outros casos de maior risco, onde os pacientes não precisam recorrer à UTI para a recuperação.

Sobre a cirurgia endovascular

Considerada de alto risco, a cirurgia para desobstrução da carótida é considerado um procedimento complexo que até então era realizado somente em centros cirúrgicos especializados. “É um grande avanço e demonstra o grau de qualificação que o hospital atingiu”, afirma Mattos.

A cirurgia endovascular, como o próprio nome indica, é a cirurgia por dentro dos vasos. É uma subespecialidade da cirurgia vascular. Desta forma, é usada para o tratamento das doenças circulatórias – dos vasos sanguíneos, arteriais ou venosos. As artérias carótidas são responsáveis por fornecer o sangue a toda a região da cabeça.

A maior diferença entre a cirurgia vascular e a endovascular é a forma de acesso aos vasos que necessitam de intervenção. A cirurgia vascular usa de incisões que se iniciam na pele e se prolongam pelo interior do organismo, aonde se localiza o vaso a ser tratado. Já a cirurgia endovascular alcança o local acometido por punções – penetracão de uma agulha de menos de 3 mm – de artérias ou veias em local superficial.

Através deste pequeno furo na pele, se posicionam cateteres (tubos ocos de material plástico), fios guias (fios de metal ou outros materiais que funcionam como trilhos para os cateteres), balões para dilatação, stents (dispositivos metálicos que são posicionados dentro dos vasos para os manterem com o interior – lúmen – aberto. Desta forma, para se tratar um vaso no abdome ou no tórax, realiza-se a punção com uma agulha de um vaso à distância, usualmente na virilha ou no braço. Deste local, cateteres, balões, stents ou outros dispositivos são levados ao local a ser tratado sobre os fios guias.

Todo este trajeto é percorrido dentro dos vasos, com a ajuda de um arco cirurgico, que são aparelhos de raio-x. Estes aparelhos emitem raios-x que são processados e enviados a um monitor em tempo real. Através destas imagens nos monitores, o médico posiciona os diferentes dispositivos no local a ser tratado. A principal vantagem da cirurgia endovascular é o menor trauma cirúrgico, devido serem desnecessárias as grandes incisões. Desta forma, é possível diminuir o tempo da cirurgia – intervenção, reduzir o período de internação e acelerar o tempo de recuperação, reduzir os riscos da cirurgia e as complicações inerentes ao ato cirúrgico. (informação compilada a partir da Wikipédia – Enciclopédia livre)