Por: Gabrielle Figueiredo | 18/05/2016

Os empresários Werner Ricardo Voigt, Eggon João da Silva e Geraldo Werninghaus foram os responsáveis por fundar uma das maiores fabricantes mundiais de equipamentos eletroeletrônicos aqui em Jaraguá do Sul.

Criada em 16 de setembro de 1961, a então Eletromotores Jaraguá iniciou suas operações em um imóvel alugado com poucos equipamentos e alguns funcionários. Atualmente, a WEG conta com mais 30 mil colaboradores.

Os primeiros dias de uma grande empresa (foto: acervo WEG)

Os primeiros dias de uma grande empresa (foto: acervo WEG)

Mas desses mais de 30 mil, espalhados em 11 países pelo mundo, existe apenas um que acompanhou praticamente toda trajetória da empresa.

Nilson Franz, de 63 anos, trabalha na WEG desde 8 de janeiro de 1968. Seu cadastro é o de número 295. São mais de 48 anos de trabalho dentro da empresa, que o tornam o funcionário mais antigo em atividade na multinacional.

carteira_trabalho_nilson

A carteira de trabalho original (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

Nilson iniciou sua carreira como aprendiz aos 14 anos, com a mãe também trabalhando na empresa. Seu primeiro dia de trabalho está gravado na memória até hoje. “Fui colocado em uma bancada – inclusive com um banco embaixo para eu alcançar – e pintava carcaça dos motores, tirava rebarba, entre outras atividades. Fazia de tudo”, relembra.

"Profissão: aprendiz", na carteira assinada pelo Sr. XXXXXXXXXX

“Profissão: aprendiz”, na carteira assinada pelo Sr. Otto Kucht de Oliveira, diretor administrativo na época (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

Um dos primeiros alunos

Mas não é só o título de funcionário mais antigo que cerca a história de Nilson na WEG. Ele também fez parte da primeira turma do Centro WEG – Centro de Treinamento WEG, carinhosamente chamado de “Escolinha da WEG” por muitos aqui na cidade.

Primeira turma da Escolinha da Weg (foto: acervo pessoal)

Primeira turma da Escolinha da WEG (foto: acervo pessoal)

As aulas iniciaram em abril de 1968, com 15 alunos, e o objetivo era formar mão de obra qualificada para trabalhar na empresa. “As aulas incluíam, basicamente, matemática, desenho e mecânica”, conta Nilson.

Para ele, a WEG acertou quando decidiu capacitar sua mão de obra criando a escola. “Eles apostaram em quem era da casa, valorizaram seus funcionários”, afirma.

Nilson mostra uma das apostilas que ainda guarda, datada de 1969 (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

Nilson mostra uma das apostilas que ainda guarda, datada de 1969 (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

A capa da apostila de 1969. "Assunto: Tecnologia" (foto: Gabrielle Figueiredo)

A capa da apostila de 1969. “Assunto: Tecnologia” (foto: Gabrielle Figueiredo)

Ele estudou por dois anos no Centro WEG. No primeiro, apenas à tarde, e no segundo, no período integral. Em 1969, Nilson também dividiu a sala de aula com Décio da Silva, atual presidente do Conselho da Administração da empresa.

A reunião da turma da escolinha, onde Sr. Décio não deixou de comparecer

Os amigos da escolinha se reencontrando em confraternização, onde Sr. Décio não deixou de comparecer (foto: acervo pessoal)

Também em 69, ele entra na escolinha de atletismo do Baependi e realizava treinos diários das 18h às 22h. Além do atletismo, também praticou ciclismo, futsal, handebol, futebol e voleibol. Os esportes eram praticados quase que simultaneamente, mas sem deixar os estudos e o trabalho de lado. Seu interesse pelo esporte era grande, com 18 anos queria fazer Educação Física, mas não foi possível.

O certificado do curso, que teve duração de 20 meses (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

O certificado do curso, que teve duração de 20 meses (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

Depois de formado como Auxiliar Técnico de Eletro Mecânica no Centro WEG, ele começou a trabalhar no departamento de ferramentaria, onde atualmente é projetista. “Comecei no lápis e hoje é tudo em 3D”, comenta.

Dias marcantes

Desses anos todos, com certeza Nilson tem algumas histórias para compartilhar. Entre os dias de trabalho marcantes, está o momento em que ele decidiu mudar o desenho de uma ferramenta.

Em uma sexta-feira, veio a solicitação: “Precisamos do desenho dessa ferramenta para semana que vem.” Nilson iniciou o trabalho e iria virar a madrugada desenhando. Quando percebeu os direcionamentos, viu que o desenho podia ser feito de outra forma, para que a ferramenta saísse mais barata e trabalhasse mais.

O diploma de mérito profissional, ganho ao completar os primeiros 10 anos de trabalho na empresa (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

O diploma de mérito profissional ganho ao completar os primeiros 10 anos de trabalho na empresa (foto: Gabrielle Dias Figueiredo)

Chamou seu superior, ele não estava disponível. Chamou outro, também não. Até que um outro gerente foi localizado e Nilson explicou a situação. O gerente perguntou: “Pode ser feito?” Nilson, que já tinha iniciado o novo projeto, fez sinal positivo e recebeu o aval. “Na segunda-feira tive que explicar porque eu tinha mudado o desenho da ferramenta para meu chefe, mas no fim, tudo deu certo.”

Foto da ARWEG em seus primeiros dias Foto (acervo WEG)

Outro momento que Nilson lembra bastante foi quando a WEG adquiriu o terreno para construir a ARWEG, que em 3 de setembro de 2016 comemora 50 anos. O senhor Geraldo Werninghaus chamou ele e outros funcionários para ajudar a plantar a grama na Recreativa. “Antigamente não era como hoje, que você compra a grama em blocos. A grama de lá foi plantada pouco a pouco por nós mesmos”, relembra.

Carreira inesperada, mas feliz

Apesar de ter trilhado desde cedo uma carreira dentro da empresa, Nilson nunca imaginou que trabalharia tanto tempo lá. “Eu não imaginei isso, eu entrei lá sabendo nada, jovem, com apenas 14 anos de idade”, conta.

Com o troféu comemorativo aos 45 anos de trabalho na empresa (foto: acervo pessoal)

Com o troféu comemorativo aos 45 anos de trabalho na empresa (foto: acervo pessoal)

Nilson já é aposentado, mas mesmo assim segue trabalhando. A motivação? “Eu realmente gosto de fazer projetos e de trabalhar na minha área”, afirma.

Caso você se pergunte se ele tem planos de encerrar a carreira, a resposta é sim, ele tem. Mas não poderia ser de qualquer forma, não é? “Em janeiro de 2018 completo 50 anos de empresa, pretendo permanecer trabalhando até abril daquele ano, que é quando o Centro WEG comemorará seus 50 anos de existência”, finaliza Nilson.

Em um dia de expediente, a turma da escolinha reuniu-se para mais uma foto

Em um dia de expediente, a turma da escolinha reuniu-se para mais uma foto (foto: acervo pessoal)

UPDATE

O Nilson compartilhou com a gente esse vídeo que ele fez para marcar seus 45 anos de WEG. E neste link tem um vídeo sobre os 50 anos de WEG, que o Nilson também marca presença. 😀