Por: João Marcos | 5 anos atrás

A explosão de uma fábrica de pólvora ocorrida há 60 anos é o mote do espetáculo que a Colher de Pau, do Núcleo de Teatro da SCAR, apresenta de quarta-feira, dia 6, ate o sábado, 9 de novembro. As apresentações acontecerão às 20h no Pequeno Teatro do Centro Cultural da SCAR – Sociedade Cultura Artística, com ingressos a R$ 10,00 e R$ 5,00. Informações pelo telefone (47) 3275-2477.

O espetáculo lembra um dos mais importantes e trágicos momentos da história de Jaraguá do Sul. Em 6 de novembro de 1953, no local hoje conhecido como Tifa da Pólvora, três explosões consecutivas destruíram a fábrica Pernambuco Powder Factory. Essa explosão foi ouvida a 50 km de distância e causou danos em edifícios num raio de mil metros. Mais do que vidros estilhaçados e paredes rachadas, porém, o evento deixou dez mortos e doze feridos. A tragédia foi eternizada na canção “Deiz Cruiz Empareiadas” de Athayde Machado, o Dadi, e deixou uma marca profunda na história do município.

casa de pólvora_3
A explosão dessa fábrica e o luto da população inspiraram “Casa de Pólvora”, uma história fictícia onde três irmãos procuram por sua mãe enquanto sua casa é atingida por explosões. Revirando os escombros nessa frenética busca, os irmãos se deparam com memórias do que eram suas vidas. Ao encontrar essas lembranças, dor e riso se alternam em um espetáculo onde memórias felizes dividem o palco com feridas nunca cicatrizadas.

Em um processo que priorizou a excelência dos participantes, a produção convidou o diretor porto-alegrense Marcello Bulgarelli, que esteve na equipe de “Rigobello, o Inspetor Geral” do Grupo GpoEx/SCAR. O espetáculo conta também com a participação de importantes nomes locais, com cenografia e figurinos de Márcio Paloschi, trilha sonora original composta por Leandro Pedrotti Coradini e iluminação de Gilberto Amaro. A dramaturgia do espetáculo foi escrita coletivamente, em um um processo colaborativo entre elenco, diretor e o dramaturgo Max Reinert, de Florianópolis.

Além do apoio da SCAR, para ser possível chegar aos palcos o espetáculo teve o patrocínio das empresas Hotel Saint Sebastian, Restaurante Sapore di Vita e Impressul Indústria Gráfica, além dos apoios culturais de Cosmos Turismo, Walter Hille Molduras, Escritório de Cinema, Loja Dona Hilária e O Correio do Povo. O projeto de montagem foi patrocinado pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Jaraguá do Sul, através do Fundo Municipal de Cultura.

Via Assessoria de Imprensa