Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Em assembleia realizada ontem, 370 funcionários da empresa Marisol, de Jaraguá do Sul, optaram por entrar em greve a partir de sexta-feira, às 4 horas. O movimento começa apenas na sexta porque a legislação prevê que os empregadores devem ser notificados da paralisação com antecedência mínima de 48 horas.

O comunicado da greve e a pauta de reivindicações foram enviados na tarde de ontem pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário (Stiv). Segundo o presidente da entidade, Gildo Alves, o sindicato não deve abrir uma nova rodada de negociações antes de sexta-feira, pois o órgão já tentou entrar em um acordo com a empresa e não teve sucesso.

Os trabalhadores reivindicam, entre outras melhorias, aumento de 15% no salário da categoria, que atualmente é de R$ 830. A empresa informou que a Marisol pretende, primeiro, dar uma resposta ao sindicato, para depois enviar um comunicado oficial à imprensa.


Publicação de Claudio Loetz em seu blog. Já sobre a greve da Carinhoso não temos aqui nenhuma informação recente por fonte oficial – foi cobrado de nós alguns dias atrás, mas quando solicitado aos reclamantes ninguém enviou manifesto.

Fica a pergunta: a greve na LGM continua? A notícia no site do STIV se contradiz, e o outro material que encontrei é essa postagem do Tim Francisco, que depois disso não publicou mais nada. Ambas publicações são de 22 de fevereiro.

A quem pergunta dos motivos, na LGM foi reclamado principalmente de assédio moral – o que gerou esta carta aberta ao tema publicada pelo presidente do STIV de Jaraguá do Sul.