Por: Ricardo Daniel Treis | 6 anos atrás

Os servidores públicos e professores do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) decidiram intensificar ainda mais a greve. Com a medida, não há prazo para o fechamento do primeiro semestre e foi suspenso o começo do segundo. Os funcionários também não vão mais atender ao público.

Em Jaraguá do Sul, a paralisação atinge a 1,4 mil alunos dos campi Geraldo Werninghaus e Jaraguá, que estão sem aulas há três semanas, mas no País o movimento completou 73 dias nesta sexta-feira. Entre as 19 unidades espalhadas pelo Estado, apenas Criciúma, Lages, Caçador e Urupema continuam funcionando.

Os servidores públicos argumentam que a contraproposta do governo federal, apresentada no começo da semana, não beneficia toda a categoria. Segundo o coordenador do Sindicato Nacional dos Servidores Federais, Mário César Sedrez, a proposta não inclui os técnicos administrativos e beneficia apenas os professores no fim de carreira.

Os grevistas (técnicos administrativos e professores) reivindicam reajuste de 22% nos salários, a reestruturação do plano de carreira e data-base. Na nova proposta, o governo ofereceu reajustes que variam entre 25% e 40% para todos os professores – no plano apresentado anteriormente, alguns níveis da carreira receberiam 12%, sem a inflação do período. Além disso, a data para o aumento entrar em vigor foi antecipada do segundo semestre de 2013 para março daquele ano. Pela proposta, o reajuste será parcelado até 2015.

Para a terça-feira, os grevistas planejam uma mobilização nacional. No Estado, eles devem realizar atos públicos nas ruas de Florianópolis.


Notícia via AN.