Por: Ricardo Daniel Treis | 4 anos atrás

Matéria por Gabriela Bubniak, O Correio do Povo:

10922518_10205804218452114_283392618966800984_n

A greve dos professores, decretada pelo Sinte (Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino) de Santa Catarina, conta com cerca de 110 adeptos na região, segundo coordenadoria local do sindicato. Já o governo afirma que 2,5% dos professores de todo o Estado aderiram ao movimento.

Desde quarta-feira, grupos de professores visitam as escolas para tentar aumentar a adesão à greve. A intenção é visitar as 31 instituições de ensino estadual da região, e a expectativa é reunir o maior número de manifestantes até esta sexta-feira, dia 27, dia da próxima assembleia, que acontecerá às 15h, na Praça Ângelo Piazera.

Um grupo de professores visitou seis escolas ontem, entre elas Abdon Batista, Valdete Inês Piazera e Roland Dornbusch. Segundo professor de Filosofia, Messias Salviano, espera-se aumento na participação. “É importante lembrar que os professores estão perdendo na carreira e temos que garantir nossos direitos”, diz. Para a professora de Língua Portuguesa, Priscila Valentino Santos, “os prejudicados agora serão os ACTs (Admitidos em Caráter Temporário), mas o resultado se dará a médio e longo prazo”.

O coordenador local do Sinte/SC, Francisco Rocha, avalia que a adesão à greve “já está bastante forte em Jaraguá do Sul” e deve ganhar mais adeptos até o fim da semana. “Por isso estamos trabalhando nas visitações com os professores”, diz. Ele destacou a abrangência em escolas como a Holando Marcellino Gonçalves, com paralisação total, Alfredo Zimmermann e Heleodoro Borges, que já registram 50%. Em Schroeder, a Luiz Delfino registrou cerca de 30%.

A gerente de Educação da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Jaraguá do Sul, Lorita Karsten, diz que as aulas devem seguir com horário especial, com remanejamento de turmas. “Aguardaremos decisão do Sinte para definir quais serão as estratégias diante do resultado da próxima assembleia”, afirma. Caso as paralisações se estendam, a recuperação das aulas deve ser realizada nas férias de julho e nos feriados. Ao todo, a região possui 1,3 mil professores estaduais, 480 são temporários.

O Sinte/SC quer a retirada da Medida Provisória 198/2015, que fixa remuneração básica do professor ACT, e desvincula o contrato do plano de carreira.