Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Que dizer senão de fantástico o grafite executado pelo artista Carlos Felipe Urquizar, o Chilenus, que presenteou o cenário urbano de Jaraguá com exposição permanente (assim esperamos) de riquíssima mostra de arte urbana.

Quem entrar ali pela lateral do Koerich ou da banca Hott vai conferir o trabalho no até então tedioso paredão que acompanhava a ciclovia paralelamente aos trilhos.

O trabalho chegou ai com apoio do edital de cultura municipal, que merece os parabéns pela escolha. Para acompanhar o making of: facebook.com/Chilenus.


Em 6 de dezembro o Rubens Herbst havia anunciado:

AS PAREDES QUE AGUARDEM
“Isto é um teste! Isto é um teste!”. O alarme imaginário soa a cada nova aproximação do caderno-diário-gráfico que Carlos Felipe Urquizar, o Chilenus, exibe como obra na exposição “(entre)meios”, montada na galeria do Sesc de Jaraguá do Sul até o final de janeiro. Houvesse mesmo o aviso, ele precisaria de legenda: o trabalho vem de uma pesquisa teórica que motivou um projeto de mestrado e resultou numa proposta de arte urbana, cujos elementos aparecem como esboço no rico caderno de Chilenus. “A proposta é mais ampla, fala sobre o processo de criação, o autoconhecimento, a maturidade e a identidade como linguagem e coerência de criação. Vai além do grafite”, explica o artista plástico. Com a aprovação no edital municipal de apoio à cultura, ele tenta agora driblar a burocracia e conseguir autorização para imprimir os desenhos em algum muro jaraguaense antes que o esgotamento do prazo o obrigue a devolver os recursos à Fundação Cultural. Qualquer doação de espaço será considerada como boa ação natalina.