Por: | 8 anos atrás

Os planos da administração municipal na área de mobilidade urbana foram expostos na plenária da ACIJS e APEVI na segunda-feira, 8, pela prefeita Cecília Konell e secretários, motivando debates e atualizando a classe empresarial com informações sobre as ações de planejamento do futuro da cidade.

Um dos aspectos mais controversos junto à opinião pública nas últimas semanas, a possível demolição do ginásio de esportes Arthur Müller para a construção de um novo terminal urbano de ônibus ganhou destaque no encontro. O secretário de Administração e Fazenda, Ivo Konell, fez um relato sobre a obra, lembrando que se trata de um compromisso da empresa Viação Canarinho que explora o transporte coletivo no município.

Conforme o secretário, o local onde o atual terminal está instalado está é inadequado. Uma das ideias é utilizar a área do ginásio Artur Müller, que seria relocado para poutra área. O novo espaço para o sistema municipal de transporte ocuparia terreno de 5.700 metros quadrados, somados a 4.000m2 do terreno onde está o prédio da Secretaria Regional, a ser permutado com o Governo do Estado.

Quanto à polêmica em torno da remoção do Artur Müller, Ivo Konell disse que somente em reformas e adequação da quadra às dimensões oficiais exigidas para a prática de várias modalidades serão necessários investimentos de R$ 900 mil. Ele disse que a Prefeitura tem proposta de assumir o patrimônio do Juventus, quitando a dívida do clube na ordem de R$ 1 milhão, e poderia transferir o ginásio para uma área junto ao Estádio João Marcatto, transformando aquele espaço em umcentro de treinamento do município.

Investimentos no sistema viário

O secretário de Urbanismo Aristides Panstein apresentou as propostas relacionadas à mobilidade urbana. Ele disse que todos os planos visam a evitar que o trânsito no município entre em colapso. Uma das etapas é a construção da ponte ligando os bairros Centenário e Ilha da Figueira, ao lado da empresa WEG II, cujas obras devem estar concluídas no final de maio ou início de junho.

O projeto contempla a extensão da rua Rinaldo Bogo, paralela à rua José Theodoro Ribeiro, cujo trecho terá de ser indenizado, com custo estimado de R$ 5 milhões, além do custo da execução das obras. Na rótula que dá acesso a Schroeder, o DNIT construirá um elevado, com prazo de execução de 540 dias a partir da expedição da ordem de serviço. A abertura das propostas está prevista para o dia 18 de março.

Outra obra vital para melhorar a circulação, já definida, é a ponte interligando os bairros Rau e Amizade, e outra na área central, ligando a rua Jorge Czerniewicz (em frente ao Centro Cultural da SCAR) até a rua Esthéria Lenzi Friedrich (via que passa em frente ao Colégio Evangélico). O secretário Aristides apresentou mapas de simulações de vias projetadas e de binários possíveis de acontecer, mas que exigirão investimentos elevados no futuro.

Segundo ele, são necessárias novas pontes, citando uma de ligação do bairro Jaraguá Esquerdo na atlrua da rua Ângelo Rubini e Barra do Rio Molha, além da ampliação da ciclovia, de implantação de ciclofaixa e de melhorias nas passagens de pedestres, para dar mais segurança ao transeunte.

A Prefeitura garante que tem recursos para a primeira etapa do projeto, como a conclusão da ponte e acessos entre os bairros Ilha da Figueira e Centenário, a ponte entre os bairros e Rau e Amizade e a do centro da cidade. “São obras imprescindíveis. Sem estas soluções urgentes, teremos problemas”, reforçou Aristides Panstein.

Ivo Konell informou ainda que em parceria com o Estado o governo do Estado inicia nos próximos dias o asfaltamento de seis quilômetros da estrada Ribeirão Grande do Norte em direção aos hotéis e mais 7,1 quilômetros da estrada desde a Seara até o Rio da Luz Vitória.