Por: Sistema Por Acaso | 3 anos atrás

Na busca de maior espaço para o corte das despesas do Orçamento deste ano, a equipe econômica fará um pente-­fino em todos os programas governamentais. A análise vai atingir também os programas sociais e de investimentos da presidente Dilma Rousseff.

Como resultado desse esforço concentrado para melhorar a eficiência dos gastos e ajudar no cumprimento da meta fiscal, alguns
programas dos ministérios poderão sofrer cortes.

O “check­up” dos programas amplia, na prática, o controle da equipe econômica sobre os projetos tocados em toda a Esplanada dos Ministérios.

O mapeamento será feito pelo grupo de trabalho de gastos públicos, criado pelo governo para ajudar no reequilíbrio fiscal. A
primeira reunião ocorreu na última terça-feira (3).

Formado pelos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Controladoria­ Geral da União (CGU), o grupo terá como primeira tarefa auxiliar
na estratégia para a definição do contingenciamento dos gastos, que será anunciado depois da aprovação do Orçamento pelo Congresso.

Joaquim Levy, Ministro da Fazenda

Joaquim Levy, Ministro da Fazenda, comandará grupo que vai traçar estratégias para cortar gastos

A necessidade de maior controle dos programas ganha força diante do cenário de dificuldade do governo para cumprir a meta fiscal com
o risco de recessão e as crises de abastecimento de água e energia.

O governo também terá de enfrentar resistências do Congresso para aprovar as medidas fiscais, como aumento de tributos, o que poderá
reduzir o alcance dessas ações. Essas incertezas estão provocando desconfiança na capacidade do governo de cumprir a meta de
superávit de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2015.

O secretário executivo do Ministério do Planejamento, Dyogo Oliveira, antecipou ontem que o corte não será linear nos ministérios,
prática que prevaleceu no primeiro mandato da presidente Dilma e que não levava em conta a eficiência dos programas.

“O objetivo é olhar o gasto para a frente, olhar os programas e buscar melhorias.”

Mesmo alcançando programas sociais, como o Bolsa Família, a análise não implicará necessariamente cortes em todos. “Vamos discutir
todos os programas do governo, e isso não quer dizer que haverá alteração em todos eles”, afirmou Oliveira. Por lei, o Bolsa Família, por
exemplo, está preservado do contingenciamento.

Leia mais aqui.