Por: João Marcos | 6 anos atrás

Ok, ok, ok antes de começar aquela velha ladainha de que “jogo que vem de filme é podre”, “isso só vai estragar a série” blablabla, mimimi. Vamos levar em conta a história: duelo de exércitos, magia negra, dragões, guerreiros, lobos, magos, países e sangue. Isso pra você é roteiro de jogo ou roteiro de filme?

Game of Thrones RPG, na minha miserável e insignificante opinião primeiro de tudo é um jogo, e depois uma  série motherfucker de televisão, uma das melhores que já vi por sinal.

A Cyanide Studio lançou na última segunda-feira o seu jogo baseado na série, o jogo foi desenvolvido para PC, PS3 e Xbox 360 ao mesmo tempo (finalmente). Ou seja,  as três versões foram desenvolvidas simultaneamente nos sistemas nativos, assim que a interface do usuário e todos os outros aspectos do jogo foram trabalhados para atender cada plataforma desde o início. Acabando com os bugs na questão de usabilidade e navegação nos games, o que acontece em diversos jogos por ai.

O motor que usaram para desenvolver o game foi o Unreal Engine 3 (usado originalmente para Unreal Tournament 3, mas é também o motor por trás de tais jogos de sucesso como Mass Effect e Batman: Arkham City).

O jogo cobrirá o período do primeiro livro da saga (ou a primeira temporada da série da HBO). Ela começa antes da morte de Jon Arryn e termina … com o fim primeiro livro. O roteiro foi revisado por George RR Martin, e passou por vários rascunhos antes que ele e todo o resto do time estivessem felizes com isso. Era necessário, em parte porque os desenvolvedores queriam ter fidelidade, tanto quanto possível para o universo de Martin e queriam evitar inconsistências não apenas com os livros publicados atualmente, mas com livros futuros na series.Um dos pontos principais destacados por Martin e pelos desenvolvedores é que este jogo não é apenas para ser um jogo onde o livro em si é o script. Eles não queriamm que nós controlássemos Eddard Stark, eles querem nos mostrar algo exclusivo, original, montado dentro das lacunas que existem na história.

Uma das outras áreas que os criadores queriam evitar é a dos clichês tradicionais de RPG’s de fantasia. Por exemplo, em vez de seus personagens serem novatos inexperientes escolhidos para salvar o mundo, os dois personagens principais já são homens experientes, com personalidades fortemente definidas e que têm seus pontos ásperos, ao invés de serem “Ursinhos Carinhosos”

Graficamente com certeza não ganhará o prêmio de jogo do ano, na questão de jogabilidade muito menos! Pelo que vi não é um jogo nota 10 o que também não o faz um jogo de média 1,0. Vale o investimento para quem gosta de uma boa trama, e com certeza você já gastou dinheiro com jogos piores.