Por: Sistema Por Acaso | 3 anos atrás

projeto_dona_dainda_1

O fotógrafo Humberto Furtado apresenta em Águas da Prata (SP), a partir das 20h desta sexta-feira (28), a mostra ‘Dona Dainda’, resultado de sua vivência com a mulher que mora em um vilarejo descendente de escravos. As imagens capturadas durante a visita à comunidade Kalunga, em agosto de 2014, estarão à venda no Espaço Global de Cultura (Gloc), como forma de arrecadar recursos para levar água e energia elétrica para Dainda, de Vão das Almas (GO). O movimento nasceu em parceria com a cantora Raissa Fayet, amiga do fotógrafo.

“Sabemos que a arte é capaz de unir pessoas em prol de um bem maior. O caminho é difícil, mas não impossível. Promovendo saraus e exposições em todo o Brasil, buscamos trazer mais visibilidade à iniciativa. A escolha da cidade de Águas da Prata ocorreu por meio da sugestão de um amigo”, contou Furtado.

Serão disponibilizadas 40 imagens em diferentes tamanhos com valores de R$ 30 a R$ 300.  Até o mês de dezembro, o fotógrafo espera ter arrecadado os R$ 12 mil necessários para realizar o sonho de Dona Dainda.

Movimento
Dona Dainda, de 66 anos, nativa do Vão das Almas, pertence à comunidade Kalunga, formado por descendentes de pessoas escravizadas no Brasil. Como a região fica situada a 340 quilômetros de Brasília, em meio a rios e matas fechadas, sem acesso para veículos, tudo o que for consumido deve ser trazido da cidade e carregado nas costas do transportador.

Apesar da seca, os nativos contam com a água de um rio, ainda boa para se beber ou banhar, mas a falta de chuvas prejudicou a irrigação e o crescimento da horta.

Para coletar água, é necessário caminhar 800 metros até o rio e depois de volta para a comunidade. Tendo em vista a dificuldade no transporte da água, surgiu a ideia de instalar no local caixas d’água e eletricidade, o que facilitaria a vida de Dona Dainda e os demais moradores da região.

“Quando, junto com Raíssa Fayet, fiquei alguns dias na casa dela, ela disse que queria comprar uma caixa da água, mas não tinha dinheiro. Então pensamos que por meio da fotografia eu conseguiríamos ajudar. A gente se fala por telefone como se fossemos avó e neto. Nunca tinha feito uma ação do tipo”, relatou Furtado.

Com ajuda também de outros amigos, ele pretende fazer a instalação dos equipamentos. “Até o momento arrecadamos cerca de R$ 7,5 mil. Acredito que o valor de R$ 12 mil já é suficiente para começarmos a fazer algo”, contou.

Serviço
Projeto Dona Dainda
Quando: sexta-feira (28) às 20h
Onde:  Rua Antônio Ortolan, 227 – Jd. Nova Prata
Quanto: Gratuito

Via G1.