Por: Misael Freitas | 8 meses atrás

A paixão pela fotografia e a vontade de dar visibilidade à beleza de crianças especiais é o que move o projeto “Estrelinha”, que conta com mais de 75 voluntários em todo o Brasil.

Em Jaraguá do Sul, os fotógrafos Andréia Fonseca, Cláudia Leu, Guilherme Avanci e Juliane Balsanelli são os responsáveis pelos cliques que retratam a infância dos pequenos que possuem algum tipo de deficiência.

Foto: Andréia Fonseca

Foto: Andréia Fonseca

O “Estrelinha” existe desde 2014 e foi criado pela fotógrafa curitibana Viviane Bachega. Profissionais de todo o país realizam ensaios gratuitos com crianças especiais de 0 a 12 anos. No fim de cada ensaio, as famílias são presenteadas com um book virtual com as fotos.

O objetivo da iniciativa é estimular a autoestima das crianças com deficiência e também promover o debate sobre o real significado do que consideramos como belo. Por aqui, a fotógrafa Cláudia Leu foi a primeira a entrar de cabeça nessa ideia. Ela conheceu o projeto logo depois dele ser criado e se apaixonou pela ideia.

Foto: Cláudia Leu

Foto: Cláudia Leu

Segundo a profissional, o momento das fotos é especial para as famílias e também para quem fotografa. “Antes de começar, eu converso bastante com os pais para entender as limitações das crianças”, conta. “Elas precisam de uma atenção especial, mas isso não é um empecilho para as fotos”, explica.

Os fotógrafos Juliane e Guilherme conheceram o projeto através do Instagram e entraram em contato com a idealizadora para saber como participar. Eles, que são um casal e trabalham juntos, reservam um espaço na agenda atribulada para fotografar as famílias de crianças excepcionais.

Foto: Juliane e Guilherme Fotografia

Foto: Juliane e Guilherme Fotografia

Para Juliane, as fotos precisam transmitir naturalidade. “Não queremos nada forçado ou posado demais”, explica. Ela considera que a procura pelos ensaios poderia ser maior, mas compreende que um álbum de fotografia não é a prioridade destas famílias.

A fotógrafa Andréia Fonseca também acredita que as famílias que possuem crianças especiais nem sempre consideram realizar um ensaio como este. “Os gastos desses pais muitas vezes são absurdos e não sobra dinheiro para pensar em fotos”, afirma.

Para Andréia, os ensaios do “Estrelinha” são importantes porque são visibilidade a um outro tipo de beleza. “Queremos mostrar que essas famílias existem e que elas não são invisíveis”, garante.

Foto: Cláudia Leu

Foto: Cláudia Leu

A fotógrafa realizou um curso de especialização para entender como lidar melhor com as crianças. “A gente precisa ter tato e alguns cuidados, mas tudo sempre flui muito bem”, comemora.

Karin Cristiane Correa, mãe de Isaac, uma das crianças fotografadas, apoia o projeto incondicionalmente. O filho dela, que tem paralisia cerebral e enfrenta problemas cardíacos, foi clicado pelas lentes de Juliane e Guilherme.

“O ensaio foi muito tranquilo e ele se divertiu bastante porque ficou bem a vontade”, conta. As fotos servem como um registro deste momento da família. “Infelizmente, não sabemos até quando ele estará com a gente”, reflete.

O pequeno Isaac com a mãe, Karin, o pai, David e os irmãos José e Kaleb | Foto de: Juliane e Guilherme Fotografia

O pequeno Isaac com a mãe, Karin, o pai, David e os irmãos José e Kaleb | Foto de: Juliane e Guilherme Fotografia

Os fotógrafos do projeto comentam que, em alguns casos, a aceitação da família é uma das principais dificuldades no processo das fotos. “Não são todas, mas algumas têm dificuldade de compreender o objetivo do ensaio e também é comum que o pai seja o mais resistente”, revela Cláudia.

A baixa procura pelos ensaios também pode estar relacionada ao preconceito que a exposição das crianças poderia trazer, mas este não foi o caso de Karin.

“Eu sou uma mãe muito orgulhosa e não tenho vergonha do meu filho. Esses ensaios são essenciais para acabar com os preconceitos e quebrar tabus. Eles mostram que crianças assim têm o direito de ser muito felizes. O brilho no olhar de uma criança especial é inconfundível, pois ali se encontra a alegria, a força e a vontade de viver que muita gente não possui”, declara a mãe do pequeno Isaac.

Foto: Juliane e Guilherme Fotografia

Foto: Juliane e Guilherme Fotografia

Karin não pensa duas vezes ao indicar o projeto para outras famílias. “A autoestima de todo mundo aumenta, principalmente a dos pais”, conta. “Eu compartilhei nas minhas redes sociais e todo mundo amou”, comenta orgulhosa.

De fato, as redes sociais são o maior veículo de divulgação do “Estrelinha”. Os fotógrafos de Jaraguá do Sul publicam os ensaios em suas páginas para divulgar a ideia e fazer com que a iniciativa alcance mais pessoas.

Foto: Andréia Fonseca

Foto: Andréia Fonseca

O sentimento de gratidão pela oportunidade compartilhar o talento que possuem com crianças tão especiais é unânime entre Andréia Fonseca, Cláudia Leu, Guilherme Avanci e Juliane Balsanelli.

Os fotógrafos não escondem a emoção de poder contribuir de alguma forma. “Nesses ensaios eu percebo como costumamos reclamar de coisas pequenas quando algumas pessoas e famílias enfrentam essas dificuldades com tanta alegria”, afirma Cláudia.

Foto: Cláudia Leu

Foto: Cláudia Leu

Se você possui uma criança especial ou conhece alguém que gostaria de realizar um ensaio fotográfico gratuito, clique nos links abaixo para entrar em contato com os fotógrafos:

Foto destaque: Cláudia Leu