Por: Gabrielle Figueiredo | 28/11/2015

Mais do que oferecer os cuidados necessários para o desenvolvimento dos animais e ser um ponto turístico, o Zoo Pomerode também tem como objetivo contribuir para a conservação da biodiversidade. A equipe técnica controla a reprodução de acordo com a necessidade de cada espécie e, desta forma, consegue preservar as que estão ameaçadas de extinção.

Neste ano, seis animais nasceram no maior e mais antigo zoológico de Santa Catarina. Em setembro foram dois macacos-barrigudos e um guará, em outubro um mico-leão-de-cara-dourada e, em novembro, um bugio-preto e uma jacutinga. Os macacos-barrigudos e o mico-leão-de-cara-dourada foram os primeiros dessas espécies a nascer em um zoológico catarinense.

Foto: Divulgação Zoo Pomerode

Mico-leão-de-cara-dourada. Foto: Divulgação Zoo Pomerode

O biólogo Cláudio Hermes Maas relata que os nascimentos são muito importantes para a conservação e que essas espécies (jacutingas, guarás e bugios-pretos) estão criticamente ameaçadas conforme aponta a lista de espécies da fauna ameaçadas de extinção no estado de Santa Catarina. “A reprodução demonstra os padrões de manejo e bem-estar que o zoológico pratica com os animais que abriga”, reitera.

Foto: Divulgação Zoo Pomerode

Guarás. Foto: Divulgação Zoo Pomerode

Macho de mico-leão-dourado chega ao Zoo Pomerode

Em agosto, o zoológico de Pomerode foi o primeiro do Sul do Brasil a apresentar o mico-leão-dourado aos visitantes. Na ocasião, o parque recebeu uma fêmea vinda da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte que, através de um concurso online, foi batizada de Sol.

Foto: Divulgação Zoo Pomerode

Mico-leão-dourado. Foto: Divulgação Zoo Pomerode

Agora, o zoológico recebeu o macho da mesma espécie, que já está junto com a fêmea. Ele foi trazido do Zoológico de Limeira, em São Paulo. “Assim como fazemos com outros animais ameaçados de extinção, o objetivo de receber o casal de micos-leões-dourados é possibilitar a reprodução da espécie, pois eles fazem parte do programa internacional de conservação”, destaca Maas.