Por: Ariston Sal Junior | 4 anos atrás
Arminda aproveita o tempo livre para ler e trocar ideias sobre títulos (Foto: Eduardo Montecino)

Arminda aproveita o tempo livre para ler e trocar ideias sobre títulos (Foto: Eduardo Montecino)

A Feira do Livro é bem mais do que entrar, comprar e sair satisfeito carregando sacolas cheias de livros. Amizades, contatos, troca de experiência e até mesmo indicações rondam os corredores dos estandes e bastidores da exposição. Acostumados com a correria das feiras, expositores encontram um tempo entre as vendas para ler novas obras e também conhecer pessoas.

A relação com os livros não é apenas negócio para Arminda Maria Mota. Fascinada pelo universo literário, há mais de dez anos ela participa de feiras de livro. “Eu amo isso aqui. Amo vender e ler, então, estou no lugar certo”, define. Não existe tempo ocioso durante as feiras. Durante a pausa na movimentação de clientes, ela saca um livro e começa a ler. Para ela, a feira não é só um comércio e nem a relação com os clientes é neste ritmo. “Você tem que saber o que está vendendo para poder indicar e sugerir títulos e atender da melhor forma o leitor que te procurou”, defende. Para ela, os expositores que participam da feira acabam formando uma “grande família”. “A gente troca títulos, experiências e opiniões sobre obras. Nos esbarramos sempre e criamos este laço”, diz.

A jaraguaense Amanda Cunha vive esta mesma experiência nos dias em que seguem a Feira do Livro de Jaraguá do Sul. Ela atua na exposição desde a primeira edição e começou como auxiliar de uma livraria. Agora, sempre que a livraria vem para a cidade, liga para Amanda e oferece a vaga. “É um emprego diferente. Você aprende muito e tem uma relação mais íntima com os livros”, conta. Ela aproveita o tempo que está no local para ler prefácios e conhecer um pouco mais das obras à venda, inclusive escolher aquelas que vai adquirir, além de trocar figurinhas com outros expositores.

Experiência com os livros não falta para Maurício Geraldo. Há mais de 30 anos ele trabalha envolvido com a literatura. Entre o encantamento com o universo literário e realidade no mercado, ele admite que existe uma disputa comercial, porém, ela fica apenas na busca por clientes e nada afeta a relação amigável entre expositores. “Apesar de concorrentes, nós acabamos nos complementando. Um trabalha com o gênero que o outro não tem, trocamos ideias sobre títulos e assim vai”, comenta. Os momentos sem clientes, apesar de estar deixando de lucrar, são aproveitados para alimentar o intelecto. Quem passar em frente ao estande de Maurício, irá vê-lo folheando um livro. “Estou lendo aqui um e no hotel tenho outro. Não posso negar que sou um privilegiado”, afirma.

Neste clima seguem os expositores. Preservando os leitores de carteirinha, buscando novos leitores, novas experiências e vendendo.

Estou lendo aqui um e no hotel tenho outro. Não posso negar que sou um privilegiado. Diz Maurício (Foto: Eduardo Montecino)

Estou lendo aqui um
e no hotel tenho outro. Não posso negar
que sou um privilegiado. Diz Maurício (Foto: Eduardo Montecino)

PROGRAMAÇÃO

Hoje

• 9h – Abertura dos estandes no Galpão da Leitura, no estacionamento da Scar.

• 9h e 10h – “Casamento de Conto de Fadas”, da Cia Coxinha Contadores de Causos, de Jaraguá do Sul, no Pequeno Teatro/Scar. Maratona de Contos Sesc.

• 15h – Show de mágica com Franco do Vale (Florianópolis), no Galpão da Leitura.

• 15h30, 17h e 19h – Contação de histórias com Rodrigo Calistro (Florianopólis), no Galpão da Leitura.

• 21h – Encerramento das atividades no Galpão da Leitura e espaços da Scar.

Via OCP