Por: Anderson Kreutzfeldt | 4 anos atrás

falcao_cristiano_borges_cbfs620x470

É oficial: Falcão, quatro vezes melhor jogador do mundo de futsal, confirmou que não vestirá mais a camisa da seleção brasileira. O jogador, consagrado no cenário regional pelas conquistas no saudoso time jaraguaense Malwee fez duras críticas à Confederação Brasileira de Futsal, afirmando que existe uma ditadura na gestão da entidade, destacando ainda que outros jogadores da sua geração irão segui-lo.

– É uma decisão triste e vou deixar bem claro que não é uma decisão só minha. Eu e todos os últimos campeões do mundo, de 2008 e 2012, estamos juntos nessa. Eles pediram para eu ser o primeiro a falar e não tenho rabo preso com ninguém. Defendi a seleção brasileira da melhor maneira possível. Vemos a cada ano que passa o futsal andar 20 anos para trás. Temos débito desde o ano passado, nós e o futsal feminino também, não recebemos nossos direitos desde julho, e ainda há várias situações de ameaça em convocação em 2012, algumas que a gente engoliu ao longo do tempo. Tenho orgulho da minha geração, num momento em que ninguém mais pensa em seleção brasileira, muito pelo contrário. Estamos fazendo isso pelo bem do esporte, que não pode ficar nas mãos de pessoas erradas, e pensando nas próximas gerações. – declarou ao SporTV.

Falcão montou um dossiê com algumas “bolas foras” da atual gestão da CBFS no programa “Arena” e afirmou que se receber o dinheiro que a entidade lhe deve, ele será inteiramente doado para instituições de caridade. Falcão não quer nem um centavo vindo da Confederação Brasileira.

– A gente espera que o futsal vá para mãos certas, que tenham pessoas focadas no esporte, não em tornar uma ditadura, que é o que vem acontecendo. Chegou ao ponto de a gente concentrar no centro de treinamento em Fortaleza e não ter TV no quarto e nem internet, porque não tinham pago as contas. Ficamos praticamente como prisioneiros. Já deixei claro que não quero mais um centavo da CBFS. O que vier, se um dia vier, vou direcionar para uma entidade, não quero mais nada que venha de lá, é uma falta de respeito muito grande. – completou.

O jogador não descartou completamente um retorno a seleção, mas afirmou que para isso a CBFS deveria estar sob outra direção.

Fonte: SportTV