Por: Isah Sanson | 6 anos atrás

Qual é o seu limite? Quem te disse até onde você pode ir? Seu médico? Sua mulher? Seu chefe? Seu Deus?
Você só descobre seu limite na morte. Até ela chegar, tudo pode acontecer. Tudo mesmo.
Ninguém espera perder um amor, um filho, uma perna. Todos nós sabemos que estamos sujeitos a isso, mas ninguém está preparado. E nem devemos estar. A preparação é uma espécie de comodismo. E não devemos nos acomodar, porque nada é permanente.
Num dia você está acostumado a ir do trabalho para casa, da casa para o trabalho… E aí perde o emprego. Ou ganha na loteria.
É a lei da vida: você muda, ultrapassa barreiras, vence limites… Em especial, os seus limites. E encontra novos desafios pela frente.
Pode chegar o dia que respirar seja um desafio. Assim como caminhar já foi um dificuldade imensa pra você.
Os bebês sabem melhor que nós que, se existe um sentido em viver, é o de se superar sempre. Eles não têm medo de cair. E os tombos não os impede de tentar novamente. Todos nós já fomos assim um dia. Por que não voltar a ser?
Esqueça aquele papinho de você é ou você não é. Nada é, rapaz. Tudo está. A vida está. Você está. Feliz. Acostumado. Mudado… E vai continuar mudando, porque o tempo causa isso nas pessoas.
E o que é o tempo se não a vida?
Eis a chave: seu tempo é sua vida. Como você passa por ele faz toda a diferença. E até o tempo muda. Está lento, mas basta se apaixonar pra ele passar rapidinho.
E é aí que queremos chegar: nos momentos. É onde entra o lema rocker LIVE FAST, DIE YOUNG.
Não se trata de viver descontroladamente e morrer aos 27 anos de idade. Nunca te contaram isso?
Se trata de aproveitar cada momento, para que seja tão bom ao ponto de você acreditar que ele passou voando… E morrer jovem, não de idade, mas de alma. Você pode ter 87 e estar jovem. Porque é uma questão de se manter jovem, não de ser adolescente.
Estar… Diferente de ser. Melhor que ter.
Abandone suas convicções – elas são armas que gente ignorante usa para se defender da vida.
Se jogue no novo… Mas precisa ser por inteiro. Não, não precisa ser de cabeça não, mas tem que ser pra valer, com os dois pés.
Se não pode ter um trabalho novo, faça seu trabalho de um jeito diferente. De um jeito novo.
Organize seu tempo para fazer o que gosta. Faça o que gosta ou goste do que faz. Encontre alternativas e não desculpas. Novos prazeres. Novas experiências. Novos aprendizados. E mais emoção nas coisas cotidianas.
Você se orgulha da vida que está vivendo? Se orgulha mesmo, ou está mentindo pra si mesmo? Se está mentindo pro mundo, não faz diferença. Ruim mesmo é tentar enganar a si. Porque no fundo você sabe que esse sorriso de satisfação é amarelo.
Pesquisas comprovam que assaltantes desistem de abordar pessoas que sorriram para eles.
Você sorri para estranhos? E para a vida?
Dê o primeiro passo. O primeiro sorriso. E não espere que a vida sorria de volta. Ninguém falou que ela é justa… Apenas que você pode torná-la melhor!

[youtube_sc url=”http://youtu.be/jNVPalNZD_I” width=”640″ autohide=”1″]

“- Como você define um momento?” “- Pergunte-me uma coisa simples!”