Por: João Marcos | 6 anos atrás

Após uma desilusão amorosa, Lorena Costa desenvolveu um projeto muito simples e válido. Ela viajou por diversas cidades do país, tentando compartilhar e discutir sobre o assunto com pessoas desconhecidas, tentando estabelecer relações curtas e longas com as pessoas que vinham falar do assunto com ela, ou pessoas que simplesmente queriam ser ouvidas. Segue o depoimento dela:

“O trabalho nasceu dentro de prêmio de artes visuais promovido pelo Centro Cultural Usiminas. Recebi uma bolsa para desenvolver um trabalho ao longo de um ano. Que agora está em exposição. A idéia nasceu durante a pesquisa, em uma viagem pelo Nordeste, onde eu vinha desenvolvendo trabalhos de aproximações, com lugares e pessoas desconhecidas.

Sou formada em arquitetura, mas sempre vi mais os espaços como feitos de relações do que matéria (concreto e tijolo). Todos os meus trabalhos são do lugar das relações e afetos. Mas neste, em especial, anuncio a palavra amor. Depois de uma separação de um relacionamento de 12 anos que ocorreu ano passado, achei que o assunto não poderia ser outro. Assim também como percebi que esta seria a maneira de atrair a pessoa. O AMOR, de todos os tipos e tamanhos…

Viajando sozinha e tentando construir laços com os lugares por onde passava, a placa nasce estrategicamente com o objetivo de romper o percurso do transeunte, para sentar-se comigo, para falar de amor. Uma maneira de promover encontros de curta ou longa duração.

Depois da placa vieram as camisas que foram enviadas pelos Correios para diversas partes do mundo com a mesma frase… Em inglês e a língua nativa de cada pessoa que recebeu. E também um outdoor, na escala das vias e rodovias…

Os registros são negociados com fotógrafos diferentes, de cada cidade em que eu me alojo. Profissionais que trabalham muitas vezes com turistas, lambe lambe 3×4, álbuns de 15 anos e festas de casamentos, que geralmente não tiveram nenhum contato com trabalhos semelhantes.

Ouvi muitas histórias… Especiais… Ganhei chocolates para adoçar minha vida, livros de orações, números de telefone… Muita coisa… Após o fim da exposição, o trabalho segue amadurecendo… Pretendo percorrer cidades do interior do Rio, São Paulo (no fim do mês de maio), Londres (junho), Istanbul… Estes são alguns lugares que pretendo percorrer, mas as rotas podem sofrer mudanças…”

Eai alguém disposto a isso?