Por: | 8 anos atrás

casados por um dia

Está chegando um novo estilo de se relacionar entre homens e mulheres

 

Silvia e Ricardo se conhecem no Skype e ficam bem amigos. Papo vai, papo vem, começam a se lembrar dos momentos bons dos seus casamentos com os respectivos ex. Sim, dá certa saudade. Então, resolvem experimentar a fantasia de fingir que são casados durante um fim de semana. Na sexta-feira, ela vai para a casa dele. Na “programação”, incluem ir ao cinema, passear de moto e transar. E ele ainda a apresenta como “minha mulher” no restaurante japonês. No domingo, ela volta para a sua casa, tudo numa boa. Talvez façam isso novamente, talvez nunca mais.

Já Sandro tem uma amiga que, às vezes, precisa ir ao Estado onde ele mora. Ela fica na casa dele por alguns dias e, como os dois são solteiros, aproveitam para viver como um casal. Ele cozinha para ela, assistem à TV de mãos dadas, ela faz massagem nele etc. Antes de ir embora, ela pede uma avaliação de como se saiu como “esposa” para os futuros relacionamentos.

Sim, está chegando aí um estilo de relação que podemos chamar de “casados por um dia”.

“Os modelos tradicionais de comportamento não estão mais dando respostas satisfatórias. Abre-se, assim, um espaço para cada um escolher sua forma de viver, o que é uma grande vantagem. Afinal, enquadrando-se em modelos as pessoas perdem suas singularidades e todas se tornam parecidas”, afirma a psicanalista e sexóloga carioca Regina Navarro Lins. Para ela, tudo indica que daqui a algumas décadas haverá uma grande variedade de relacionamentos. “No futuro, as pessoas experimentarão diferentes formas de estar juntas. Pode haver relações duradouras, mas talvez não sejam predominantes. Os ‘casados por um dia’ podem ser um sinal disso”, acredita a psicanalista.

Para a psicóloga junguiana Neiva Luci, casamento no modelo tradicional, com a característica da dependência psicológica – “eu não existo sem você” – está fadado a não progredir. Isso porque, hoje, cada um existe por si só, reconhece sua individualidade, suas preferências e anseia por viver as suas capacidades, descobrir os seus dons e realizar fazendo a diferença. “Quanto mais presos às regras e ao controle social, ao repetir para não causar conflito, mais temos frustração com a pessoa que somos e com as relações que queremos – sem realmente querer. Aí repetimos, nos frustramos, sofremos… Para muitos, é uma dependência emocional em que se vive como prisioneiro de um círculo vicioso”, completa Neiva.

Dicas para você se dar bem no esquema “casados por um dia”

1. Tenha uma expectativa tão alta quanto o tatoo da Ilha da Fantasia

2. Cobrador, aqui, nem o do ônibus. O objetivo é ser tudo muito light.

3. Aproveite o máximo possível para ouvir o retorno do seu “marido por um dia” sobre a sua performance como mulher dele (e vice-versa). Faça dele um espelho. Já diz o provérbio: “Diga a verdade e saia correndo”.

4. Tente não fazer muita bagunça na casa dele. A casa do “marido por um dia” não é a manhã seguinte da “Festa do Peão Boiadeiro”.

5. Sem estresse! Nada de “discutir a relação” e muito menos de brigar porque você quer ver “O Amor é Lindo” e ele, “Rambo Reload”.

Via UOL.