Por: Gabriela Bubniak | 28/08/2017

Esse artigo já começa com uma bomba, na verdade um fato que talvez a gente não imaginaria: mais de 80% dos conteúdos da Netflix são descobertos através das recomendações — curtidas e estrelas.

Nesta semana, a companhia divulgou algumas informações sobre o funcionamento dos seus algoritmos, que não se prendem apenas aos gêneros dos filmes e séries, na hora de sugerir um conteúdo novo para assistir.

O algoritmo usa um passo a passo dos procedimentos necessários para se realizar uma determinada tarefa. Através da programação de situações, um usuário do serviço de streaming recebe sugestões automáticas por ter curtido vídeos com determinadas características: roteiro, trama, ano de lançamento, diretor, perfil dos personagens, elenco e outras.

A recomendação de título acontece com a ajuda desse algoritmo que leva em consideração os fatores já citados, “mais profundos”, como semelhanças entre o enredo da trama, os personagens, os atores e diretores. Por isso, um fã de comédia pode encontrar sua série perfeita em uma produção de investigação policial, por exemplo. (Verdade! Experiência própria.)

Em artigo divulgado pela Netflix, a empresa traz as séries da Marvel como exemplo. Quem gosta de temas envolvendo ambiguidade moral e anti-heróis como visto nas séries “House of Cards” e “Dexter” foi direcionado para “Demolidor”.

Se o humor inteligente de “Friends” e as personagens femininas fortes de “Orange is the New Black” fisgaram o espectador, “Jessica Jones” é uma recomendação que atenderá às expectativas. Enredos sobre perigo e consequências complexas são gatilhos para “Luke Cage” e a transição da juventude para vida adulta em séries configura um cenário que leva a recomendação de “Punho de Ferro”. Confira um esquema com os exemplos e as obras lançadas:

Recomendações da Netflix levam em conta características que vão além do gênero dos seriados (Foto: Reprodução/Netflix)

Sendo assim, se a Netflix está acertando com você, não é mágica. É tecnologia.

Fontes: Netflix e TechTudo