Por: Ricardo Daniel Treis | 06/08/2015

Navegando pela timeline tive a oportunidade de encontrar o belo testemunhal deixado pela jaraguaense Joyce Cristina Cavalheiro Hanisch no site Quimioterapia e Beleza. “É para dar força e coragem a quem está iniciando o tratamento”, disse-me.  Acredito, porém, que como fonte de inspiração e modelo de postura, estas palavras certamente vão ajudar mais pessoas que ela talvez possa esperar… Com a permissão da autora para compartilhar com vocês, repasso o texto abaixo:

Joyce-2-851

 

Gostaria de dividir com você e com as pessoas que buscam informação e ajuda no seu blog… Meu nome é Joyce, tenho 36 anos, moro em Jaraguá do Sul – SC, tenho câncer de mama.

Em janeiro/15 fiz cirurgia para retirada de dois nódulos considerados benignos, um em cada mama. Para minha surpresa o resultado da biópsia mostrou que o nódulo da mama direita era maligno. Confesso que ao receber o diagnóstico fiquei sem chão… O primeiro pensamento foi: “Meus filhos!” Chorei, questionei, me desesperei… Mas, após a explicação técnica, após ouvir: “Descobrimos no início! Você é jovem! Você é saudável! Você consegue!”, e após receber um caloroso abraço do meu esposo dizendo “Estou com você”, saí do consultório médico focada no tratamento e na cura!

A parte mais difícil foi chegar em casa e contar para meus filhos de 9 e 8 anos. Sempre conversamos com eles muito claramente, nunca mentimos ou inventamos historinhas para poupá-los de algum novo acontecimento em nossas rotinas. E dessa vez não foi diferente, mas não esperávamos que eles fossem captar a mensagem tão rapidamente! E quando meu esposo falou que para o tratamento da cirurgia ser concluído eu precisaria usar um medicamento que cairia meu cabelo… Pimba! Veio a tão temida frase: “Mãe, você está com câncer de mama?” Nesse momento desabei… Abracei meus txutxucos (assim os chamamos carinhosamente em casa) e chorei o resto que precisava chorar… E ali ficamos nós quatro abraçados por alguns minutos chorando…

Hoje sei que esse momento foi extremamente importante para todos nós, pois dali em diante nenhum de nós se lamentou, ninguém se desesperou, ninguém fraquejou. É claro que a cada amigo, a cada familiar que conversávamos nos emocionávamos, mas era apenas emoção e não desespero ou lamentação.

Dia 10 de março fiz retirada das duas mamas (esquerda preventivamente) e dia 13 de abril fiz a primeira de seis sessões de quimioterapia. Ao finalizar a quimio, farei de 25 a 30 aplicações de radioterapia.

Posso garantir que os primeiros dias após o diagnóstico se transformaram em longos dias pois o turbilhão de informações e de exames a serem realizados é tamanho que o cérebro mal consegue processar!!

Agradeço a Deus todos os dias por estar dando tudo certo tecnicamente e por ter uma família maravilhosa que participa de todos os momentos… inclusive dos momentos em que o humor e a alegria insistem em se distanciar. Agradeço também por ter amigos queridos que na verdade se tornam nossa família de coração!

E assim eu sigo… aprendendo que cada dia é um dia!
Fé em Deus e pé na tábua!
Beijo no coração de todos!

Joyce Cristina Cavalheiro Hanisch

….
E este link também pode ser para você: “Como ser doador em Jaraguá: Um corte pelo bem“. Veja como é simples o processo para corte e doação de cabelo à Rede Feminina de Combate ao Câncer.

Na conversa que tivemos, Joyce comentou que suas sobrinhas se uniram para doar o cabelo com que foi feita sua peruca. Percebam a simplicidade e, ao mesmo tempo, a enorme afeição que o gesto carrega. Que tal fazer o bem, também? 🙂