Por: André Marques | 04/08/2014

Um casal em união estável desde 2011 foi autorizado a registrar o filho com os nomes dos pais em Santa Catarina. A decisão foi publicada na última quinta-feira pelo poder Judiciário após a decisão de Luiz Cláudio Broering, Juiz da 1ª Vara da Família de Florianópolis.

“O caso transborda desse elemento afetivo, uma vez que o nascimento […] provém de um projeto parental amplo, idealizado pelo casal postulante e concretizado por meio de técnicas de reprodução assistida heteróloga, além do apoio incondicional prestado pela doadora, que se dispôs a contribuir com seu corpo, a fim de realizar exclusivamente o sonho dos autores, despida de qualquer outro interesse”, declarou o juiz.

Via G1/RBS