Por: André Marques | 3 anos atrás

Na última semana, publicamos uma matéria que relatou um triste acontecimento envolvendo um tigre, a desatenção de um pai e a imprudência de um menino de 11 anos em um zoológico no Paraná, estão lembrados?

Até então, ninguém havia se pronunciado sobre o caso. No último domingo, em entrevista exclusiva ao Fantástico, o pai do menino disse que, logo após o que aconteceu, já sem parte do braço, a criança pediu para que não sacrificassem o animal.

— Ele disse: ‘não mata o tigre’. Sem o braço! Ele pensou apenas no tigre — disse Marcos do Carmo Rocha,

Marcos estava claramente abalado, disse que a família gosta bastante de estar em contato com a natureza, e passear por um zoológico se encaixa perfeitamente na categoria “programa entre pai e filhos”. Lorenzo, o filho mais novo, de 3 anos, e Vrajamany, de 11 anos, que perdeu o braço.

Depois de dar mais uma lida em algumas notícias sobre o assunto, fiquei sabendo que o menino, antes de ir brincar com o tigre, foi ‘trocar umas ideias’ com um leão, que aparentemente estava mais calmo que o tigre nos vídeos e não se agitou muito com o comportamento do menino.

O advogado de Marcos afirma que a responsabilidade é do zoológico. Já a administração do mesmo diz que, diante de tamanha imprudência, “não há normas técnicas que resistam”.

Realmente lamento a situação pela qual Vrajamany teve de passar, mas nessa eu estou junto com o Zoo, – e aparentemente, ele também – normas de segurança não são efetivas apenas por si só, é necessário o uso desse ‘negócio’ que temos dentro na cabeça, conhecido como cérebro, para que elas sejam 100% eficazes. E acho importante destacar a atitude do menino em defesa do animal, admitiu que o vacilo foi dele, e não do tigre, ponto pra você, Vrajamany.

Você pode conferir a entrevista completa aqui.