Por: João Marcos | 16/04/2012

Trollface, Forever Alone, Me Gusta, Para noooooooooooooooossa alegria. Quem nunca riu com esses “memes’ da internet? Sim, o nome disso é meme!

Segundo a Wikipédia, este termo é sinônimo de “fenômeno da Internet”, ou seja, é tudo o que faz sucesso e se propaga rapidamente na rede. Exemplo recente disso é a família “Para nossa alegria“, que teve mais de 8 milhões de views com uma versão acústica (muito bem produzida por sinal) desse hino gospel.

Dos que fizeram sucesso até hoje, pode-se entender que o termo tem a ver com brincadeiras e piadas rotineiras, desenhos, fotos ou vídeos que se propagam com uma grande velocidade na rede e ganham o gosto popular, principalmente por serem engraçadas e fáceis de se identificar.

Ou seja, meme pode ser considerado qualquer coisa, exatamente QUALQUER COISA! Que faça sucesso na internet, desenho mal feito, frases, imagens, vídeos e até mesmo uma pessoa.

É provável que o primeiro meme tenha sido criado, em 1998, por Joshua Schachter, de 24 anos, no serviço Memepool. Nele, os usuários postavam na Internet links interessantes.

No evento Contagious Media, em 2000, a palavra meme foi utilizada pela primeira vez. O objetivo foi traduzir em uma expressão uma mensagem que rapidamente é difundida e ganha novas versões de acordo com o contexto. Depois disso, a palavra meme caiu no gosto das pessoas.

Outra explicação possível, destacada pelo escritor Richard Dawkins no livro “O Gene Egoísta”, de 1976, se refere a “uma unidade de evolução cultural”, que espalha a mensagem de uma pessoa para outra. A partir disso, podemos interpretar que toda a informação com aspecto cultural propagado entre indivíduos é considerado um meme.