Por: João Marcos | 5 anos atrás

Parece que aquele velho estereotipo de princesas como a Bela Adormecida e a Branca de Neve que eram sinônimos de fragilidade e vulnerabilidade, que viviam esperando por um herói cheio de coragem e força para salvá-la está caindo por terra, até mesmo na Disney que sobreviveu por anos enfeitando histórias assim.

Hoje cada vez mais vemos personagens femininas mais fortes e determinadas, encabeçando histórias, filmes, livros e até a sociedade atual. Termos como bravura, generosidade, confiança e lealdade entraram no lugar dos já antigos mimimis com as quais eram relacionadas, provando que uma princesa pode sim ser foda! PE lembrou da Arya Stark, da foto, pra que melhor exemplo do que ela? A Fiona do Shrek, uma princesa criada para crianças, que arrota, peida, tem filhos, luta e ainda aguenta um ogro como marido. Tem também aquela nova animação – Valente – onde a princesa luta pelos seus direitos e pela sua própria mão em casamento.

Até mesmo antigas histórias estão sendo contadas de forma mais máscula, se podemos assim dizer. Quem não viu aquele filme A branca de neve e o caçador, interpretado pela mesma mulher que faz o Crepúsculo? Porra, aquela mina ta mais macho que eu. Preservar a inocência e a pureza das antigas histórias com certeza deve ser feita, mas como as crianças crescem e devem aprender a se virar sozinhas, ensiná-las que essas mesmas princesas melodramáticas podem ser tornar heroínas é um grande passo não só para elas, mas para a sociedade como um todo.

Quando se fala em “sociedade como um todo”, pode ser até que soe exagerado de certa forma, e sim concordo até que seja. Mas crescendo com exemplos assim, com certeza teremos mulheres mais maduras do que crescendo com os exemplos antigos, e talvez dessa forma cresçam até menos feministas, visto que não precisam chegar nos 18 anos para se tornarem independentes e corajosas.

Pensando nisso, a Disney lançou um vídeo com esse novo conceito, dá uma olhada nas princesas contemporâneas:

[youtube_sc url=”http://youtu.be/qUGnu0gXtn4″ width=”640″ autohide=”1″]

Menos mimimi, mais ação e muito, mas muito mais independência.