Por: Anderson Kreutzfeldt | 5 anos atrás

carros-tombados-ufsc

Triste se deparar com a situação igual a que está ocorrendo na UFSC em Florianópolis/SC, algo que está relacionado com as manifestações de alguns estudantes em querer a proibição da entrada da polícia no campus em busca de combater o tráfico e uso de drogas, sendo que se trata de uma conceituada instituição de ensino público que é mantida com o nosso dinheiro suado, fruto da alta carga tributária do nosso país. Eu, particularmente, sempre defendi e continuarei defendendo todos os movimentos estudantis de caráter educativo, reivindicatório, que busca melhorias no âmbito educacional, social e moral, contribui juntamente nas ruas em manifestações, até mesmo segurando cartazes e gritando em megafone quando na qualidade de presidente do Diretório Central dos Estudantes – DCE da Católica de Santa Catarina, porém, as manifestações ocorridas na UFSC não me agradam nem um pouco, pelo contrário, me deixam envergonhado. Óbvio, não podemos generalizar, ainda bem que existem movimentos estudantis sadios, que não fazem tumulto apenas para buscar a liberação da maconha e proibir entrada de oficiais em universidade para proibir o tráfico e uso de drogas, ainda bem! A universidade deve ser utilizada para aprendizado, não como um lugar para se consumir drogas ou até mesmo praticar o tráfico, quantos jovens carentes que não podem ficar anos pagando cursinho para fazer vestibular não gostariam de estar lá para realmente estudar e não fazer arruaça? E outra, se lá é um lugar para buscar conhecimento e uma futura formação profissional, por que proibir a polícia de fazer reinar a ordem dentro do campus? Se os alunos não se envolverem com drogas, não traficarem, não arrumarem confusão, não tem motivo algum para a polícia tomar medida alguma.

Luís Fernando Almeida – Ex-presidente DCE da Católica/SC.