Por: João Marcos | 6 anos atrás

A história do Raimundos começa como uma brincadeira entre amigos. Vizinhos em um bairro nobre de Brasília, Rodolfo e Digão se conheceram e começaram a tocar juntos em 1987. Por muito tempo tocaram covers de suas bandas favoritas, dentre elas a principal, Ramones, grande influenciador do estilo da banda e inclusive da escolha do nome. Entre uma cover e outra Rodolfo resolveu começar a fazer versões punk para músicas do sanfoneiro Zenilton, seu preferido por causa das sacanagens nas letras, e foi dessa brincadeira que surgiu a banda.

Na formação original, Digão (hoje frontman e guitarrista da banda) era o baterista, mas por problemas auditivos passou as baquetas para Fred, com o reforço de Canisso no baixo e liderados pelo irreverente e polêmico Rodolfo Abrantes no vocal, eis que a banda Raimundos toma forma e se prepara para um salto bem maior além dos territórios de Brasília.  Participaram de grandes festivais, como Monsters of Rock e Hollywood Rock, tocando ao lado de grandes nomes internacionais como Motorhead e Iron Maidein. Tudo isso fez com que a banda fosse reconhecida nacionalmente, tornando-se referência na época e arrastando multidões por onde passavam.

Em 2001 veio a grande baixa da banda, após uma longa conversa entre os integrantes ficou decidido que Rodolfo Abrantes iria se desligar da carreira musical, tendo como principal motivo a conversão ao evangelho alegando o Raimundos incompatível com o estilo de vida que ele procurava levar. Ele afirmava não agüentar mais as drogas que usava, como ele dizia, a maconha dava as coordenadas e além da erva, usou também ecstasy, ácido e cocaína. Ele saiu da banda e tornou-se missionário itinerante na igreja Bola de Neve Church, formando também posteriormente a banda de hardcore/punk cristão Rodox.

Digão resolveu continuar com a banda, se tornou vocalista e recrutaram Marquim para ser o novo guitarrista. Tiveram altos e baixos durante esse 10 anos sem Rodolfo, o baixista Canisso chegou a se desligar da banda ainda em 2002 retornando só em 2008, chegaram inclusive a fazer uma turnê com o então vocalista do Detonautas, Tico Santa Cruz comandando os vocais.

A atual formação da banda conta com Digão/vocal e guitarra, Marquim/Guitarra, Canisso/Baixo e Caio Cunha/Bateria, ao meu ver ainda longe do antigo brilho mas com a mesma vitalidade, com rifs pesados e letras engraçadas a banda continua fazendo sucesso pelo Brasil e tocando em grandes festivais, como SWU, Planeta Atlântida e Rock in Rio.

Especula-se que em 2012 possa acontecer uma reunião com a formação original da banda, mas no meu ponto de vista, e com base nas fortes declarações feitas por Rodolfo nos últimos anos acho bem pouco provável.

Músicas como Eu quero ver o Oco, Me Lambe, A mais pedida e Reggae do Maneiro marcaram muitas pessoas na época que ainda sofriam com a perda dos Mamonas Assassinas e sua irreverência. Até hoje em festivais undergrounds e bandas de garagem são as preferidas e mais cantadas até mesmo por quem não fez parte dessa geração.

Saudades do tempo em que o rock nacional se fazia assim: