Por: Ricardo Daniel Treis | 5 anos atrás

Por um ano, o italiano Alessio Ortu, 32 anos, visitou quinzenalmente a região da Cracolândia, centro de São Paulo, para fotografar os viciados. O trabalho resultou no livro Simulacrum Praecipitii – A visão do abismo, tema de matéria da Revista Trip, que compartilhou algumas imagens em seu site.

Dedos queimados pelo constante uso do isqueiro nos cachimbos

Qual história mais te impressionou? A do Jonatas, um menino cego que mora na rua e usa crack. Ele pede dinheiro no farol e só consegue sobreviver graças à ajuda de outros craqueiros, que o auxiliam nas operações cotidianas, inclusive a fumar pedra. Ele apareceu do nada enquanto eu estava fotografando outro cara, o Gerson. Jonatas estava com os olhos sujos e Gerson pegou sua própria camiseta e o limpou com ela. Foi uma cena que me mostrou como, mesmo nessa condição miserável de degradação total, de dependência química arrasadora, ainda existe espaço para calor humano, generosidade, companheirismo.