Por: Sistema Por Acaso | 8 anos atrás

photoshop

Se o Brasil fosse a França, além de a gente falar francês e ter mais chances de comprar coisas na Chanel, você correria o risco de ver na capa de alguma revista a seguinte mensagem: “Esta imagem foi modificada digitalmente e pode não corresponder à realidade”. Como assim? Bem, existe um projeto de lei em andamento no país que prevê a obrigatoriedade dessa mensagem na capa de todas as revistas que usam Photoshop. E quem não colocar vai ter que pagar uma multa pesada.

OK. Somos as primeiras a repetir sem parar que “imagem não é tudo”. Achamos mesmo que todo mundo ficar com cara de jovem porque teve sua imagem modificada em computador é ruim. Afinal, isso faz com que as pessoas reais, que estão aí andando pelo mundo, corram atrás de um padrão de beleza fora da realidade. Só que achamos que a França está radicalizando. Afinal, qualquer revista usa o tal programa de computador. É só usar na dose certa.

Como tudo na vida, amigos deputados franceses, existe uma questão de senso de noção. Nunca foi objetivo fazer com que alguém pareça outra pessoa. Muito pelo contrário. Tem casos que o uso do Photoshop é necessário, como para equilibrar cor, luz e calibrar com a gráfica. Ou seja, para que as imagens não saiam pretas demais, vermelhas demais, amarelas demais. O que não achamos justo são  o desaparecimento de rugas, pintas ou cicatrizes – a não ser que seja uma exigência do personagem. Equilibrar o tom da pele e em alguns casos suavizar uma ruguinha ou outra. tudo bem. Se a maquiagem borrou, dá pra arrumar. E, se a cor do fundo não ficou tão legal, também. Diminuir barriga e deixar a pele lisinha, ai já é demais né gente!

O problema é que a maioria das revistas exagera tanto no tratamento de pele que a pessoa fica com aparência de plástico. A pele fica sem textura, reparem! O ideal são as pessoas ser  como elas são, com rugas, poros, de carne e osso.

… Garimpado daqui oh.