Por: Tita Pretti | 4 anos atrás

Mesmo após 69 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, a história ainda sobrevive ao tempo. Isso porque o projeto do fotógrafo jaraguaense Raphael Günther registra as expressões dos últimos pracinhas vivos da região.

A ideia surgiu há dez anos, quando Günther viu em um jornal uma fotografia de uma homenagem cívica a dez veteranos da guerra. Em 2013, somente três foram registrados pelo mesmo jornal.

“Aí então me assustei. Pensei em como o tempo passa rápido. Em como somos passageiros nesta vida. E me senti responsável em usar a fotografia para congelar o tempo. Depois que morrerem, estaremos lidando com a história da história; com alguém que não presenciou ou viveu aquilo.”

Ao pesquisar sobre o tema em 2013, o fotógrafo descobriu que dos cerca de 60 soldados que saíram do Vale do Itapocu para o conflito, quatro morreram em combate e que havia somente quatro vivos. Ele clicou quatro pracinhas: João Rodolfo Hauck, em Corupá; José Francener, em Massaranduba; Walter Carlos Hertel e Hercílio Spezia, em Jaraguá do Sul.

Saiba mais sobre o projeto e veja as outras fotos aqui.