Por: Ariston Sal Junior | 4 anos atrás

appbebado_frame

Você pagaria US$ 99 para saber o quão bêbado está? Uma startup chamada Alcohoot está apostando que os consumidores gastarão essa grana para comprar um equipamento que transforma um smartphone em um bafômetro pessoal. Há produtos similares no mercado, mas a Alcohoot acredita que criará um buzz por meio de uma parceria com a gigante de bebidas Pernod Ricard USA, dona de marcas como Absolut, Jamenson e Malibu.

O acordo inclui ações promocionais e ativações. O Wise Drinking, app para smartphone da Pernod Ricard que promove o consumo responsável de álcool através de funcionalidades como um contador de bebidas, agora tem um link para o app da Alcohoot. O aplicativo funciona em conjunto com um plug-in que mede, dentre outras coisas, o teor de álcool no sangue do usuário. A companhia de bebidas irá distribuir o equipamento da Alcohoot para seus empregados nos Estados Unidos, Brasil, Canadá e México. Em outra parceria, a Heineken USA também dará o apetrecho para seus colaboradores, que deverão promovê-lo junto à rede de distribuidores.

As parcerias têm como objetivo posicionar a startup, baseada em Nova York, como uma marca de lifestyle, afirma Ben Biron, cofundador e CMO da empresa. Bafômetros, frequentemente, são encarados de uma maneira negativa, associados à polícia e à autoridade, destaca o empresário. A missão da Alcohoot é reduzir os acidentes de trânsitos causados por embriaguez, mas a marca também quer “fazer parte da diversão da noite”. “Nós pensamos que os parceiros perfeitos para isso seriam as marcas de bebidas alcoólicas”, acrescenta Biron.

Segundo Bryan Fry, presidente e CEO da Pernod Ricard USA, a Alcohoot engaja as pessoas, tem o potencial de mudar comportamentos e está totalmente em linha com o forte senso ético e com o comprometimento geral da empresa com o combate contra o consumo irresponsável dos seus produtos.

[youtube_sc url=”https://www.youtube.com/watch?v=hT_MHOi0Qxk” autohide=”0″]

O device de US$ 99, cujo plug se encaixa na saída de fone de ouvido dos smatphones, está à venda no site da companhia e na Amazon.com. O aparelho tem a mesma tecnologia dos bafômetros utilizados pela polícia. No entanto, o produto tem um aviso dizendo que ele não deve ser usado para determinar quando o usuário deve ou não operador veículos automotores ou realizar qualquer outra atividade perigosa. A empresa mantém negociações para distribuir o equipamento em redes nacionais de varejo como drogarias e lojas de eletrônicos, informa Biron. O plano de marketing inclui anúncios no Facebook.

O aplicativo, que é gratuito, tem funcionalidades como a “Smartline”, que permite definir o nível de álcool no sangue (BAC, na sigla em inglês) desejado antes de sair na noite. Na manhã seguinte, o usuário pode fazer um quiz matinal para descrever como se sentiu. Se a pessoa se sentiu mal, o app deve sugerir um nível menor.

Mas tudo isso não é apenas a repetição daquilo que os bebedores sabem intuitivamente? Biron discorda. “Um dos efeitos do álcool é fazer com que nos sintamos bem quando não estamos”. Alcohoot procura explicar esse fenômeno no vídeo acima feito com a Pernod Ricard.

Biron, de 25 anos, e o cofundador Jonathan Ofir se conheceram durante o serviço nas Forças de Defesa de Israel. A dupla teve a ideia de criar a Alcohoot após descobrirem que o número de soldados mortos por acidentes causados por embriaguez superava as baixas em combate.

Claro que uma das alternativas para evitar a combinação entre bebida e direção é a entrega de bebidas em casa. E há um aplicativo para isso também: Drizly, que promete “entrega rápida e conveniente de álcool” em Los Angeles, Nova York, Boston e Chicago. A empresa afirma ter um portfólio de mais de 2,5 mil vinhos, cervejas e destilados por meio da sua rede de parceiros do varejo.

Tradução: Fernando Murad
Do Meio & Mensagem 

Via Proxxima