Por: Cláudio Costa | 26/11/2015

O cuidado principal de quem está vendendo o veículo é certificar-se do recebimento do valor acordado antes de dar início aos procedimentos quanto à documentação. Somente após a conclusão das operações bancárias é que você deve preencher o CRV (Certificado de Registro do Veículo). Vale lembra que esse documento não deve ser portado no dia a dia, mas precisa ser guardado em um local seguro.

Após a conclusão da transação, você deve preencher completamente o CRV, colocando a data da venda. É imprescindível que você reconheça a firma de sua assinatura e em hipótese alguma você deve entregar esse documento em branco ao comprador do veículo ou a despachantes.

Nada mais desagradável que, depois que você trocou de carro, receber em casa uma notificação de multa ou de débitos do carro que você vendeu. Basicamente, isso ocorre porque o novo dono não fez a transferência do veículo e, assim, multas e débitos acabam sendo creditados ao antigo dono. Por isso, é preciso tomar alguns cuidados durante e depois da transação.

Outro procedimento que deve ser adotado é tirar uma cópia autenticada de toda a documentação de venda. Você também deve informar ao Detran que o veículo que até então estava em seu nome foi vendido. Para isso, dentro do prazo de 30 dias após a data de assinatura do documento, basta entregar uma cópia autenticada do comprovante de transferência, devidamente preenchido e com a firma reconhecida, no protocolo geral do Detran ou no Ciretran de sua cidade.

Por lei, o novo proprietário tem no máximo 30 dias para fazer a transferência, a contar da data da venda, que consta do CRV. O não cumprimento do prazo pode acarretar uma multa referente a infração grave (prevista no artigo 233 do Código de Trânsito Brasileiro). Se no prazo estipulado o carro não for transferido, o antigo dono deve solicitar o bloqueio do veículo por falta de transferência. Esse documento o protege de qualquer tipo de problema e o novo proprietário só conseguirá licenciar o veículo após efetuar a regularização da transferência.

Fonte: Quatro Rodas