Por: João Marcos | 6 anos atrás

Em um país com mais de 1,3 bilhão de habitantes, material humano não falta. Mas o Comitê Olímpico Chinês faz  uma seleção e uma preparação rigorosíssima para forjar os seus futuros campeões olímpicos. Desde que em Pequim-2008 tomou dos EUA a hegemonia nos Jogos Olímpicos, a China tem sido alvo de críticas pela forma como prepara as crianças do país para brilharem nos mais variados esportes – da natação à ginástica olímpica.

O regime comunista espalha ginásios por todo o país na expectativa de encontrar e treinar futuros campeões. Os métodos são questionados. E cada vez mais cedo as crianças vão parar em centros de treinamentos, como o de Nanning, um dos mais badalados. Algumas famílias chegaram a denunciar que seus filhos – alguns de 5 anos – são retirados de casa para ficarem internados em centros esportivos, de acordo com reportagem do “Daily Mail“, publicada no G1.

Um dos maiores destaques chineses em Londres é a nadadora Ye Shiwen, de apenas 16 anos, que ganhou duas medalhas de ouro e bateu um recorde mundial, nos 400 metros medley – com tempo nos últimos 50 metros mais baixo que o do americano Ryan Lochte, vencedor da prova masculina.

Se eles já estavam aplicando soro nos alunos para que aguentassem a maratona de estudos, não sei porque não fiquei muito espantado quando vi essa notícia.