Por: Ricardo Daniel Treis | 28/01/2014

A resposta está sendo conferida na prática, segue nota publicada por Patrícia Moraes em sua coluna Plenário, na edição de hoje d’O Correio do Povo:

sacos

ENCHENDO MUITOS SACOS
O programa adotado pela Prefeitura de Jaraguá do Sul – Olha quem chegou para encher o saco – superou todas as expectativas. Em alguns dias, conforme o presidente da Fujama, Leocádio Neves, o volume de coleta seletiva quadruplicou. O sucesso trouxe também dor de cabeça. A Ambiental, que faz a coleta, está tendo que aumentar a equipe para dar conta da demanda. E algumas associações de recicladores foram pegas de surpresa e estão deixando o lixo acumular, como em Nereu Ramos. Problema que, segundo Leocádio, já está sendo resolvido.


Do discurso de nosso prefeito em junho do ano passado, o lembrete: Jaraguá perde cerca de R$10 milhões por ano não reciclando seu lixo. Adotem o comportamento!

(…) Reciclamos apenas 3%, enquanto que em países desenvolvidos este número ultrapassa 50%. Já estamos trabalhando na destinação de sacolas com cor diferenciada para o lixo reciclável, a exemplos que temos em nossa região, como Indaial, Timbó e Pomerode. Vamos acelerar o estudo da usina de queima do material orgânico, com viés para produção de energia. (…) A preocupação é com o que queremos deixar para nossos filhos e netos. Enterrar o lixo orgânico é ainda praticada no Brasil como a melhor alternativa e a mais barata. Tenho a convicção de que precisamos mudar isto também. Precisamos cuidar mais de nossa cidade, de nossos filhos e a destinação correta do material orgânico e reciclável é o ponta pé inicial para mudarmos esta situação.

Por fim, para conseguirmos iniciar a mudança de cultura, precisamos viver de forma mais simples, para simplificarmos a vida. Já estamos dando o primeiro passo. Convido a todos para mudarmos juntos a nossa cidade e transformarmos em referência de boas iniciativas, e em um lugar ainda melhor para viver.