Por: João Marcos | 6 anos atrás

Sheen tira de cena Charlie Harper para encarnar Charlie Goodson, isso mesmo, Goodson de “bom filho”.

O novo Charlie fictício é bastante parecido com o antigo, tem a crucial diferença de que tenta ser uma boa pessoa, enquanto o anterior se orgulhava de ser um beberrão degenerado e sem escrúpulos. Ele vai tentar regenerar a imagem de Sheen, que ficou queimada com seu desligamento conturbado e polêmico de seu antigo trabalho.

O que pode tornar massante esse novo seriado, pois além de tentar resgatar a imagem de Sheen, ele também tenta arrumar a imagem de Goodson, ou seja, é uma tentativa de salvação tanto dentro quanto fora das telas.

O ligamento a tudo que aconteceu com Sheen nos últimos tempos já era esperada, e ela abre a estreia. Charlie Goodson foi bem-sucedido em reconstruir a vida após ter um surto de raiva que acabou com sua carreira no beiseibol – o que acaba ligando diretamente com a vida de Sheen em paralelo a Two and a Half Man. Agora, ele é o herói que ajuda os outros na mesma tarefa, trabalhando com dois grupos de pacientes que precisam controlar a agressividade: um mais diverso e colorido e outro dentro de uma prisão. Mulher gostosa e burra, o veterano de guerra preconceituoso, o gay sensível, e diversos outros estereótipos são aguardados nesse seriado, a forma de acontecer é parecida com a Two and a Half Man, então… Estou e muito curioso!

O seriado tem o seguinte contrato com a FX, se os 10 primeiros episódios tiverem uma boa audiência, ele já terá 100 novos episódios garantidos. É esperar pra ver então.