Por: Ricardo Daniel Treis | 9 anos atrás

Estaremos hoje lá na CEI, acompanhem via nosso twitter @poracaso!

Agora olha a notícia de hoje: a Fábrica de Shows disse que vai jogar tudo no colo do contador José Gentil, que também promete bombas.

Corredor polonês esse, capaz da culpa acabar caindo pro Bratz.

Está programado para hoje o depoimento de Genilson Medeiros, diretor da Fábrica do Show, na comissão especial de inquérito (CEI) montada pela Câmara de Vereadores para investigar as contas da última Schützenfest.

Dos depoimentos tomados até agora, a empresa foi apontada como responsável pelo não-pagamento dos fornecedores da festa. Entre bebidas, lonas, hotéis e outros prestadores de serviços que ficaram sem receber, a conta já chega a quase R$ 1 milhão. Quando a investigação começou, o prejuízo era de R$ 400 mil.

Medeiros garante que vai apresentar documentos que mostram que a Fábrica do Show não teve responsabilidade nenhuma com pagamentos da festa. “Nosso contador está juntando os documentos para prestarmos contas. Nós vamos deixar tudo claro e mostrar quem de fato é o responsável por contratar as empresas. A prova do nosso não-envolvimento está com as próprias empresas, já que nenhuma delas pode mostrar um contrato firmado conosco”, diz.

Medeiros acrescenta que a Fábrica do Show ficou responsável apenas pelos shows nacionais e pela mídia da festa, o que estaria definido em um adendo do contrato assinado dois dias antes do começo da Schützenfest.

Medeiros explica como chegou até os organizadores e garante que o contador da festa, José Gentil, o Zezo, nunca teve relação com a sua empresa. “Nós chegamos a Jaraguá por meio do Instituto Anita Garibaldi, que a princípio organizaria a festa e nos contatou para trazer os shows nacionais. O Zezo fazia parte deste instituto e foram eles que venderam a ideia de que conseguiriam R$ 800 mil do governo do Estado. Aí surgiu o problema do Freestyle, que eles haviam organizado junto com a Prefeitura, não conseguiram o orçamento e ficaram devendo. O nome do instituto foi retirado, mas o Zezo continuou ao lado do Raulino, garantindo os R$ 800 mil. Como estávamos com os shows agendados, contratos feitos e pago os sinais, ou entravámos na festa, ou teríamos um enorme prejuízo. Quem fez contato com fornecedores foi a organização do evento”, garante.

Zezo foi procurado ontem, mas não foi localizado. Ronaldo Raulino, ex-secretário e presidente da comissão organizadora da festa, já havia dito que não foi responsável por contratos e notas e que a Fábrica do Show era quem deveria fazer os pagamentos.

Via AN